Opinion

Moçambique: Investir em Raparigas - Garantir o Futuro

24 November 2017

"É importante criar espaços seguros onde as raparigas podem se sentir livres para se expressar. Para participar na conferência das raparigas me inspirou a fazer mais para ajudar as raparigas na minha comunidade "compartilha Amina, mentora da Rapariga Biz.

Amina é uma das 150 raparigas e jovens que, juntamente com 50 rapazes e jovens de todo o país, participaram na Conferência Nacional das Raparigas. Ela teve lugar de 11 a 12 de Outubro de 2017 na Universidade Politécnica de Quelimane, província da Zambezia. Sob o lema "Investir em nós, garante o desenvolvimento de Moçambique", a conferência foi liderada pelo Governo de Moçambique, a Fundação para o Desenvolvimento Comunitário (FDC) e a Coligação para a Eliminação e Prevenção dos Casamentos Prematuros (CECAP), com o apoio da Cooperação de Desenvolvimento da Suécia em Moçambique (SIDA) e o Sistema das Nações Unidas, liderado pelo Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA).

Estas organizações foram representadas por Graça Machel - Presidente da FDC, S.Exa. Dr. Abdul Razak Noormahomed - Governador da Província da Zambezia, S. Exa. Sr. Alberto Zeca - marido da Governadora de Gaza, S.Exa. Sr. Antoine Chevrier - Embaixador do Canadá, S. Exa. Sr. Mikael Elofsson - Chefe da Cooperação da Embaixada da Suécia e da Sra. Won Young Hong - Representante Adjunta do UNFPA.

 

Mentoras jovens levantam suas preocupações

A conferência faz parte da iniciativa liderada pelo governo "Rapariga Biz" e visou levar as vozes e preocupações dos adolescentes e jovens para o centro do palco. Um elemento-chave da Rapariga Biz é assegurar a participação de raparigas e mulheres jovens em questões que preocupam suas vidas. Vários participantes falaram sobre a necessidade de maior inclusão e participação de todos os influenciadores ao nível da comunidade:

"Se os guardiões e os pais das raparigas, líderes comunitários, e o público em geral não estão totalmente envolvidos, nada mudará em relação à situação das raparigas e das mulheres jovens", afirmou Aliarina Pascoal, mentora da Rapariga Biz.

As discussões vibrantes e dinâmicas entre adolescentes e jovens também incluíram questões levantadas artisticamente através de poemas, peças de teatro e música. Um grupo de teatro local mostrou a complexidade enfrentada por uma família relacionada com à questão de saber se a filha adolescente deveria permanecer na escola ou se casar ainda criança. Isso inspirou especificamente um debate sobre as práticas socioculturais prejudiciais que afetam a vida de adolescentes e jovens em Moçambique.

Uma das participantes mais jovens, apelou aos participantes do setor educacional para remover os estabelecimentos que vendem álcool e cigarros nas proximidades das escolas, particularmente escolas secundárias onde adolescentes e jovens podem ser facilmente tentados a consumir esses produtos prejudiciais.

 

Raparigas e Rapazes se unem

Outro elemento-chave da Rapariga Biz é o envolvimento masculino, que visa garantir que a resposta à discriminação baseada no gênero e as ​​desigualdades de gênero prementes envolvam raparigas e mulheres, e rapazes e homens. Jovens rapazes falaram especialmente em nome de suas primas e amigas, irmãs e namoradas sobre questões relacionadas com a eliminação do casamento prematuro, educação contínua para raparigas grávidas, disponibilidade de bolsas de estudo para mães jovens, etc.

Em preparação para o evento, uma Pré-Conferência para Raparigas e um Workshop para Rapazes foram realizados simultaneamente em 10 de Outubro. A pré-conferência era um espaço estrito para raparigas que lhes permitia compartilhar suas histórias e preocupações em preparação para a Conferência. Da mesma forma, para criar um espaço seguro para o diálogo político não-conflituoso e as negociações entre raparigas e rapazes para promover o processo de auto-reflexão e emancipação, o Workshop dos Rapazes foi organizado pela Rede Hopem em parceria com o CECAP e apoio técnico e financeiro do programa Agir e UNFPA.

Durante a conferência, vários jovens mentoras e seus homólogos masculinos, enfatizaram a necessidade de revisitar as leis de idade de consentimento, afirmando que a lei atual é ineficaz porque afirma que os jovens de 16 anos podem se casar com o consentimento dos pais/guardiões. Esses tipos de leis não protegem os jovens da prática prejudicial do casamento prematuro.

 

O caminho a seguir

No final da conferência, os participantes redigiram uma petição chamada 'Voz das Raparigas' que foi entregue ao Governo, e isso será usado como uma ferramenta de advocacia para raparigas e jovens em todo Moçambique. Algumas das questões destacadas na petição incluem a necessidade de acesso mais fácil a bolsas de estudo, mais escolas e universidades em áreas rurais, mais centros de saúde e postos de polícia em áreas rurais, maior acesso ao emprego para jovens, mais diálogo com influenciadores comunitários e pais, mais aconselhamento de saúde sexual e reprodutiva, igualdade de gênero e prevenção do HIV nos bairros e mais atividades por e para raparigas.

Ficou evidente que não investir em raparigas e mulheres jovens, compromete o futuro de Moçambique.

"Foi uma bela experiência ver tantas garotas compartilhando suas vozes e experiências pessoais como mentoras", Celestina Pinoca, mentora da Rapariga Biz.