Declaração

Parteira, Maes e Familia - Parceiros para a Vida

5 May 2017
Otilia Felizarda Tualufo - Enfermeira de Saúde Materno Infantil - Maternidade 1o de Junho, Distrito Kamovota ©UNFPA Mocambique

Mensagem do Sr. Doutor Babatunde Osothimehin, Diretor Executivo do UNFPA, para o Dia Internacional da Parteira, 5 de Maio de 2017

UNFPA, o Fundo das Nações Unidas para a População, saúda o trabalho heroico das parteiras que diariamente salvam vidas, muitas vezes em condições de trabalho adversas. Graças às parteiras, todos os anos milhões de mulheres podem ter acesso a serviços de saúde sexual e reprodutiva, incluindo os serviços de planeamento familiar voluntário. Estes serviços ajudam a assegurar que as gravidezes sejam desejadas, saudáveis e nascimentos seguros.

Contudo, ainda há demasiadas mulheres sem acesso a estes serviços. Em resultado disso, cada ano morrem mais de 300.000 mulheres durante a gravidez e parto, cerca de 3 milhões de bebés não sobrevivem ao primeiro mês de vida, e outros 2,5 milhões são nados mortos. A maior parte delas poderia ter sido salva pelos cuidados de parteiras bem treinadas e enquadradas em sistemas de saúde sólidos.

O UNFPA apoia vigorosamente a formação e o trabalho das parteiras em mais de 100 países. Desde 2009, o UNFPA trabalhou com os seus parceiros para apoiar mais de 300 Escolas de Formação de Parteiras, instruindo mais de 80.000 parteiras. Reforçámos as associações nacionais de parteiras em 75 países, e ajudámos a melhorar o enquadramento regulamentar da profissão de parteira, de forma a garantir a responsabilização do exercício da atividade.

O tema em foco este ano no Dia Internacional da Parteira: “Parteiras, Mães e famílias: Parceiras para a Vida!”, destaca o papel crítico das parteiras. As parteiras salvam vidas, apoiam e promovem famílias saudáveis e dão o poder às mulheres e casais para escolher, se querem, como e quando querem ter filhos. As parteiras também têm um papel fundamental na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, na prevenção da fístula obstétrica, na transmissão de HIV de mãe para filho, e na mutilação genital feminina.

Para alcançar a Meta do Desenvolvimento sustentável até 2030, é fundamental prevenir a morte materna e do recém-nascido, prevenir as complicações decorrentes do parto, e empoderar as mulheres para que estas tomem decisões informadas e saudáveis. Para que isto seja possível, temos que expandir os programas de parteiras, mantendo os mais altos padrões globais, e promover um ambiente em que as parteiras possam servir as necessidades das mulheres e das suas famílias

Neste dia, eu apelo a todos os governos e parceiros de desenvolvimento que se unam ao UNFPA no apoio às parteiras, para que mais mulheres possam sobreviver, e para que estas juntamente com as suas famílias e comunidades possam prosperar.