You are here

Um ano após o ciclone Idai, o UNFPA em Moçambique continua a apoiar os esforços do Governo no terreno

COMUNICADO DE IMPRENSA

 

Maputo, Moçambique - 14 de março de 2020, marca um ano desde que o ciclone Idai chegou a Moçambique. As inundações subsequentes e os ventos fortes causaram destruição maciça nas províncias de Sofala, Manica, Zambézia, Tete e Inhambane, afetando cerca de 1,85 milhão de pessoas. Desde março de 2019, o Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) apoia o Governo de Moçambique na prestação de assistência humanitária a mais de 211,000 pessoas em resposta ao ciclone Idai, com foco em serviços de saúde sexual e reprodutiva, prevenção e resposta a questões de violência baseada no género.

O apoio prestado garantiu que as necessidades proteção e higiénicas de mulheres e meninas, que muitas vezes são negligenciadas em crises humanitárias, continuavam a ser uma prioridade. De abril de 2019 a final de fevereiro de 2020, foram fornecidos mais de 604,000 serviços de saúde sexual e reprodutiva. “Mesmo em tempos de crise, uma mulher grávida fará o parto e os serviços devem estar em vigor para garantir um parto seguro e saudável. Os desafios na prestação de cuidados pré e pós-natal são multiplicados numa crise e os serviços geralmente não estão disponíveis, levando a gravidezes indesejadas, tornando a disponibilidade de contraceptivos ainda mais urgente ”, diz Andrea Wojnar, Representante Residente do UNFPA Moçambique.

Em colaboração com parceiros locais, o Governo e outros, o UNFPA priorizou a instalação de 26 tendas de saúde reprodutiva nas quais ocorreram 42,768 partos seguros e a distribuição de 9,000 "kits de dignidade" (contendo suprimentos básicos de cuidados pessoais, higiene, proteção) para mulheres e meninas mais vulneráveis.

"Ainda estamos a sentir os efeitos de Idai, já que alguns dos nossos serviços não foram totalmente restaurados", compartilha a enfermeira Helena Siguera, que supervisiona os enfermeiros nas tendas de saúde apoiadas pelo UNFPA. “Logo após o ciclone, tivemos que improvisar bastante os serviços e ainda estamos a fazer isso por causa das novas chuvas. As necessidades das mulheres não param: os seus bebés ainda precisam nascer com segurança. ”

Para atender às crescentes preocupações relacionadas à proteção, o UNFPA e os parceiros treinaram centenas de ativistas, representantes do governo e líderes comunitários, para responder e fornecer apoio em questões relacionadas à violência de género, incluindo o tratamento clínico de estupro. Além do estabelecimento de mesas de proteção, o UNFPA alcançou 123,810 pessoas com informações críticas sobre a prevenção da violência baseada no género através de 15 “espaços seguros às mulheres” - grandes tendas fechadas colocadas nos locais de reassentamento afetados pelo ciclone.

“Embora tenha sido dada uma resposta notável, sabemos que ainda existem necessidades significativas de saúde e proteção para meninas e mulheres. São necessários investimentos crescentes para garantir a disponibilidade de serviços especializados de saúde sexual e reprodutiva materna e integrada”, afirma Wojnar. 

Com a mudança climática, os desastres naturais provavelmente se tornarão mais comuns e mais graves e, como vimos, mulheres e meninas sofrerão o impacto dessas crises. No futuro, o UNFPA - por meio dos seus serviços, suprimentos e esforços de capacitação - está a trabalhar com o Governo e outros parceiros para estar melhor equipado para responder a futuros desastres. É somente trabalhando em conjunto, em todos os setores e áreas temáticas, que podemos garantir que não estamos a deixar para trás as mulheres e meninas vulneráveis em tempos de crise.

INFORMAÇÃO ADICIONAL:

SOBRE O UNFPA

O Fundo das Nações Unidas para a População  (UNFPA) é a agência de saúde reprodutiva da ONU que lida com questões populacionais e é responsável por expandir as possibilidades de mulheres e jovens levarem uma vida sexual e reprodutiva saudável. O UNFPA trabalha para acelerar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva, incluindo planeamento familiar voluntário e maternidade segura; e busca a realização de direitos e oportunidades para os jovens.

O UNFPA está a progredir em mais de 150 países - menos mulheres estão a morrer durante o parto, mais gestações indesejadas estão a ser evitadas e mulheres mais jovens estão a ter as suas oportunidades ampliadas. Mas é necessário expandir esses esforços para que possamos alcançar um mundo saudável e justo.

NÚMEROS DE IMPACTO DO CICLONE IDAI / UNFPA

INTERVENÇÕES DE SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA:

  • 604,000 serviços de saúde sexual e reprodutiva foram fornecidos às pessoas afetadas

  • Foram distribuídos 411 kits de saúde reprodutiva sexual em 49 unidades de saúde, das quais 42% eram para parto seguro e limpo, e 17% para o tratamento de ITS.

  • Através de serviços como 91,041 consultas pré-natais e o estabelecimento de 20 serviços básicos de emergência obstétricos e neonatais, as complicações obstétricas entre mulheres grávidas afetadas por desastres reduziram em cerca de 35 a 40%.

  • Dos 20.000 casos de infecções sexualmente transmissíveis tratadas nas 49 unidades de saúde, 39% dos pacientes eram adolescentes.

  • 16 enfermeiras de saúde materna e infantil foram treinadas e viajaram 209 vezes para comunidades de difícil acesso para fornecer serviços de SSR a mulheres e meninas incapazes de acessar unidades de sanitarias.

  • Foram realizadas 156,000 consultas de planeamento familiar para meninas e mulheres de 15 a 45 anos

 

INTERVENÇÕES DE VIOLÊNCIA BASEADAS NO GÊNERO:

  • 90.679 mulheres e meninas ingressaram em atividades nos 15 espaços seguros para mulheres estabelecidos pelo UNFPA.

  • 733 pessoas receberam apoio psicossocial individual.

  • 323 casos de violência baseada no gênero foram aconselhados por assistentes sociais. Desses, 115 eram casos (de mulheres e meninas) encaminhados para serviços médicos, psicossociais e jurídicos especializados.

  • 362 funcionários da Direção Provincial de Género de Sofala foram treinados sobre violência baseada no género e gestão de casos.

Imagens podem ser acessadas aqui.

***

Para mais informações por favor contacte: 

Karlina Salu, +258 84-056-0246, jsalu@unfpa.org