You are here

Resiliência diante do ciclone Eloise

Sabe-se que durante emergências humanitárias, desastres naturais ou crises de saúde pública, como COVID-19, as pessoas com deficiência enfrentam maiores necessidades, podem encontrar discriminação e barreiras à informação, apoio e serviços relacionados à violência de género (VBG), sexual e saúde reprodutiva (SSR).

Mulheres e raparigas também costumam suportar o impacto de uma crise. Numa província como Sofala, que passou por vários desastres naturais, mulheres e raparigas estão se tornando mais resilientes após um desastre. Desde a adaptação à vida com deficiência ou a busca pela paixão independentemente da idade, três mulheres compartilham as suas histórias de superação de adversidades, inspirando outras pessoas e avançando.

 

Abandonada pelo marido na sequência de um acidente de moto que não lhe deixou outra escolha senão amputar a perna, Dona Lídia vive atualmente com os seus dois filhos (um rapaz de 19 anos e uma rapariga de 16) na província de Sofala em Moçambique.


Dona Lídia em casa com a capulana do Kit Dignidade. ©Epidauro Manjate/UNFPA Mozambique

Dona Lidia ou ‘vovó Lidia’ como é carinhosamente chamada, mora na área de reassentamento de Mandruzi, um local que abriga pessoas impactadas pelo Ciclone Idai. Dona Lídia mora lá desde 2019, depois que o ciclone e os fortes ventos e fortes chuvas que se seguiram destruíram a sua casa, deixando-a sem lugar para ficar.In a joking tone Grandma Lidia starts by saying that just hearing the words, ‘wind, cyclone, or storm’ is a reason to start “running” to the nearest shelter.

Assim que ela ouviu sobre a possibilidade do ciclone Eloise de categoria dois aterrar na mesma província em meados de janeiro, ela não hesitou e foi para a escola mais próxima que seria usada como abrigo em situações de desastre. Embora estivesse segura, infelizmente, quando voltou para casa, todos os seus pertences foram embora com a fúria de Eloise.

“A farinha que guardei para secar ficou totalmente submersa na água e o barro com que é revestida a minha casa ficou totalmente danificado”, explica.

Vovó Lidia é uma das centenas de milhares de mulheres e raparigas impactadas pelo Ciclone Eloise, que até agora afetou mais de 366.000 pessoas só na Província de Sofala.

Resiliência após um desastre 

Lídia é um exemplo de resiliência no meio de uma pandemia e entre um ciclone, pois sempre tem um sorriso no rosto e uma atitude positiva. Ela não deixou a sua deficiência afetar o seu entusiasmo em participar de atividades e encontrar uma comunidade forte. Desde o Ciclone Idai, Lidia frequentou um espaço voltado para as mulheres com apoio do UNFPA, financiado pelo Governo da Noruega, onde aprendeu a fazer tapetes. Usando novas ferramentas, materiais e recursos, Lidia e outras mulheres afetadas pelo ciclone conseguem vender os tapetes da região com uma pequena renda.

Lidia, com o seu papel como matriarca da comunidade, também se tornou uma fonte de conforto e apoio para as mulheres que a abordam para discutir os seus problemas ou preocupações sobre violência doméstica e de género. A princípio, essas mulheres têm medo de denunciar os seus casos, mas Lídia as incentiva a denunciar a situação à polícia e procurar ajuda.

“São comportamentos que devemos evitar porque elas têm medo e não querem expor esses casos de violência doméstica”, diz Lídia.

O outro lado da moeda

Assim como a vovó Lídia, a equipa do UNFPA Moçambique conheceu Joaquina, uma garota de 27 anos que sofre de uma doença crónica desde os 10 anos.

Joaquina mora com a mãe e faz parte de um grupo de mulheres do Espaço da mulher e rapariga apoiado pelo UNFPA em Mandruzi dedicado ao artesanato e confecção de tapetes, corte e costura.

“Há 17 anos estou com essa condição, o que me impede de realizar várias tarefas, e temo deixar para trás muitos dos meus sonhos”, diz Joaquina.

Infelizmente, Joaquina não pode ir à escola e aprender, porque um dos efeitos do seu estado é a deficiência visual. Ela não consegue ler por longos períodos, nem percorrer longas distâncias, pois sofre de um cansaço extremo.

Ela e a sua mãe se mudaram para Mandruzi logo após o Ciclone Idai e não sairam desde então. Mesmo depois dos danos causados ​​pela Tempestade Tropical Chalane e pelo Ciclone Eloise, elas consideram-se em melhores condições do que o cenário após Idai - tanto física quanto mentalmente. Elas tornaram-se mais resistentes.

Atualmente, Joaquina e a mãe moram numa casa construída com materiais locais, mas a construção de uma casa resiliente e com melhores condições já está em andamento.

Joaquina Recebendo Kit Dignidade de Dbora Carvaho do UNFPA Moçambique. ©Epidauro Manjate/UNFPA Mozambique

No final de janeiro, Lídia e Joaquina receberam kits de dignidade apoiados pelo UNFPA. Com o apoio financeiro da Noruega, os kits de dignidade visam diminuir a carga do impacto do ciclone, fornecendo itens essenciais e culturalmente apropriados, incluindo sabonete, absorventes menstruais reutilizáveis, capulanas (tecidos tradicionais), roupas íntimas. Os kits também contêm itens para ajudar mulheres e raparigas a mitigar o risco de violência de género, incluindo uma lanterna, um apito e informações sobre onde e como acessar os serviços.

Perseguindo seu sonho de se tornar uma professora aos 50

Rabeca Francisco Andrade, 52 anos e mãe de 5 filhos, aprendeu há muitos anos a costurar na máquina e a fazer tapetes com a ajuda da mãe. Antes do Ciclone Idai, ela nunca imaginou ser professora. Hoje ela orgulha-se de ter ensinado mais de 200 mulheres deslocadas na Província de Sofala na arte de fazer tapetes e confessa ser uma das poucas mulheres deslocadas, senão a única, que teve a oportunidade de visitar todas as mulheres do Espaço da mulher e rapariga nos distritos de reassentamento da província de Sofala. Viajando por todos os distritos, Rabeca orgulhosamente ensinou as mulheres a usarem novas ferramentas, equipamentos e materiais para começarem a costurar e produzir tapetes, tapetes e outros artesanatos. Ao fazer isso, essas mulheres também aprendem a se tornar mais independentes economicamente.


Rebecca mostrando seus produtos de costura. ©Alex Muianga/UNFPA Mozambique

Com a pequena renda que ganhou, comprou um celular onde faz vídeos, recebe mensagens de conselhos de muitas mulheres e adolescentes e tem conseguido educar todos os filhos. Rabeca reafirma que antes desse programa nunca falava ou estava na frente das pessoas e não esperava que aos 50 anos se tornasse professora e viajasse. O seu sonho é ver o Espaço da mulher e rapariga de Mandruzi melhorado e com boa infraestrutura para continuar a ensinar num espaço bom e motivador.

No final, Rabeca descreveu o espaço seguro numa palavra: “é a nossa casa”.

O ciclone Eloise já afetou mais de 49.500 famílias, destruiu cerca de 17.000 casas, 82 centros de saúde, entre outras infraestruturas de utilidade pública. Por isso, para muitas mulheres, os Espaços seguros da mulher e rapariga representam uma forma de abrigo e um espaço seguro para recomeçar enquanto trocam experiências e ganham o apoio de outras raparigas e mulheres como elas.

Essas três mulheres - Lídia, Joaquina e Rabeca - podem vir de comunidades diferentes com origens variadas, mas todas têm uma coisa em comum: na esteira de um ciclone e desafios pessoais, todas perseveraram com determinação e resiliência para conquistar a vida que eles realmente desejam.