Notícias

Recém-divulgados os resultados do Censo de 2017 ajudarão nos esforços de resposta e recuperação dos ciclones Idai e Kenneth

29 Abril 2019

Maputo - SE. Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique, lançou os resultados do Censo Populacional de 2017 numa cerimónia realizada hoje, 29 de abril de 2019. Os resultados fornecem um perfil abrangente das 27.909.798 pessoas do país pela primeira vez em 10 anos . “Agora somos capazes de dizer quantos somos, como somos, onde vivemos, como vivemos e outras características”, afirmou S.E. Jacinto Nyusi.

Os dados recolhidos representam a maior fonte única de dados populacionais recolhidos em Moçambique, proporcionando ao estado, aos organismos públicos e ao sector privado um perfil completo e detalhado da população e agregados familiares até à mais pequena unidade geográfica.


SE. Jacinto Nyusi, Presidente de Moçambique, no lançamento dos Resultados do Censo 2017 © UNFPA Moçambique/Alessio Cangiano

A população de Moçambique tem crescido desde o primeiro censo em 1980, passando de 12,1 milhões para 16,1 milhões em 1997, para 20,6 milhões em 2007, para 27,9 milhões em 2017. A taxa de crescimento anual médio intercensitário foi mais elevada em 2007-17 em 2,8%. O grande aumento da população neste período tem importantes implicações políticas para todos os sectores do governo, particularmente os de educação, saúde, emprego e moradia, que afetam o desenvolvimento econômico do país.

A Sra. Andrea Wojnar, Representante Residente do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) em Moçambique, disse: “os resultados facilitarão o trabalho já feito pelo Governo e pela sociedade civil para abordar as disparidades e desigualdades dentro da sociedade moçambicana, assegurando que ninguém fica inadvertidamente 'empurrado' para trás por escolhas feitas na alocação de recursos do sector social. ” Segundo a Representante do UNFPA, o relatório permitirá que o Governo, a sociedade civil, o sector privado, agências da ONU e outras partes interessadas identifiquem e localizem as pessoas mais vulneráveis ​​do país, planeiam intervenções que resultem nas maiores melhorias em seu bem-estar e monitorem o progresso em uma ampla gama de metas nacionais e internacionais.

Os dados do censo também foram de importância crucial para o planeiamento da resposta e recuperação dos Ciclones Idai e Kenneth, crises humanitárias desencadeadas pelos eventos naturais destrutivos que atingem as províncias centrais e setentrionais. Os dados estão sendo usados ​​para priorizar intervenções nas áreas mais afectadas e identificar grupos populacionais com necessidades específicas.

Os resultados também destacam o facto de a população de Moçambique continuar a ser predominantemente jovem, com 66% da população com menos de 25 anos. Esta tendência mostra que este é um momento oportuno para o país aproveitar a sua população jovem no que é conhecido como “Dividendo demográfico”, no entanto, o UNFPA adverte que isso só pode ser realizado se o país aumentar e direcionar seu investimento na saúde, educação e emprego de seus jovens, e especialmente raparigas.


Enumeração durante uma missão de observação do Censo de 2017 na Beira, Província de Sofala © UNFPA Moçambique/Karlina Salu

O censo de 2017 e subsequente preparação de dados pós-enumeração foi apoiada através de um Fundo Fiduciário gerido pelo UNFPA que inclui financiamento do Departamento de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DFID), Noruega, Suécia, Canadá e Itália por um período de quatro anos (2017 -2021), além do financiamento fornecido pelo Governo e pelo Banco Mundial.

Os dados do censo foram coletados e analisados ​​de acordo com padrões internacionais, com apoio técnico e orientação de especialistas globais organizados pelo UNFPA que também adquiriram equipamentos essenciais e apoiaram programas de treinamento de enumeradores e actividades de comunicação para garantir um processo bem informado e participativo.


Enumeração durante uma missão de observação do Censo em Xai-Xai, província de Gaza © UNFPA Moçambique / Karlina Salu

Os resultados do censo relatados no lançamento de hoje mostram tanto o progresso na transição demográfica do país desde o último censo quanto os desafios actuais. O número médio de filhos por mulher diminuiu de 5,7 para 5,2. A esperança de vida à nascença aumentou quase três anos, atingindo 51 anos entre os homens e 56,5 entre as mulheres. A mortalidade materna diminuiu, mas permanece alta com 452 mulheres morrendo a cada 100.000 crianças nascidas vivas.

Para além de estabelecer as tendências demográficas, o censo fornece uma riqueza de dados sociais e económicos que, em combinação com outras fontes de dados, permitirão análises temáticas aprofundadas das características e condições de vida da população de Moçambique, incluindo habitação e condições de vida, educação e alfabetização, emprego e subsistência, e disparidades de gênero. O Fundo Fiduciário gerido pelo UNFPA apoiará o INE e as instituições nacionais de investigação na realização de um conjunto de estudos temáticos aprofundados, com vista a gerar recomendações políticas específicas para os sectores.