You are here

Paz no lar: salvaguardando a saúde e os direitos das mulheres e raparigas - mesmo durante o COVID-19

Declaração da Diretora Executiva do UNFPA, Dra. Natalia Kanem, no Dia Mundial da População

11 de julho de 2020

A paz no nosso mundo começa com a paz no lar, como afirmou o Secretário-Geral das Nações Unidas no seu chamado por um "cessar-fogo" global sobre a violência baseada no género - uma pandemia dentro da pandemia do COVID-19. Uma mulher em cada três experimenta violência física ou sexual na sua vida. Agora, com os países em que o bloqueio e as tensões domésticas aumentam, a violência de género está em ascensão e os serviços de saúde sexual e reprodutiva estão a ser marginalizados pelos sistemas de saúde que lutam para lidar com o COVID-19.

A crise do COVID-19 afetou pessoas, comunidades e economias em todos os lugares. No entanto, nem todos são afetados igualmente e, como costumamos ver, mulheres e raparigas tendem a sofrer mais.

O UNFPA projeta que a pandemia reduzirá o progresso global para acabar com a violência de género nesta década em pelo menos um terço.

O impacto do COVID-19 provavelmente dificultará os esforços globais para alcançar os três 'zeros' no coração do nosso trabalho no UNFPA - zero necessidades não atendidas de contracepção, zero mortes maternas evitáveis e zero violência de género e práticas prejudiciais contra mulheres e raparigas - até 2030. O UNFPA projeta, por exemplo, que a pandemia reduzirá em pelo menos um terço o progresso global para acabar com a violência de género nesta década. Além disso, se as restrições de mobilidade continuarem por pelo menos 6 meses com grandes interrupções nos serviços de saúde, 47 milhões de mulheres em países de baixa e média renda poderão ser privadas de contraceptivos modernos, resultando em 7 milhões de gravidezes indesejadas.

Neste Dia Mundial da População, chamamos atenção para as vulnerabilidades e necessidades de mulheres e raparigas durante a crise do COVID-19, e por que é imprescindível proteger a saúde e os direitos sexuais e reprodutivos e acabar com a pandemia sombria da violência de género, especialmente nesses tempos desafiadores.

O UNFPA está a trabalhar para garantir que o suprimento de contraceptivos modernos e produtos de saúde reprodutiva seja mantido e que as parteiras e outros profissionais de saúde tenham o equipamento de proteção individual necessário para se manterem seguros.

Os serviços de saúde sexual e reprodutiva são um direito e, como a gravidez e o parto, os direitos humanos não param por pandemias. Juntos, vamos freiar o COVID-19 e salvaguardar a saúde e os direitos das mulheres e raparigas - agora!

Somos encorajados que, até agora, 146 Estados Membros assinaram o apelo do Secretário-Geral para tornar a paz no lar uma realidade, e estamos a fazer parcerias para apoiá-los. Como parte da nossa resposta ao COVID-19, estamos a inovar para oferecer serviços remotos, como linhas diretas, telemedicina e aconselhamento, e coletar e usar dados desagregados para apoiar os governos na identificação e alcance dos mais necessitados.

Mensagens públicas positivas em torno da igualdade de género e desafiando estereótipos de género e normas sociais prejudiciais podem reduzir o risco de violência. Nisto, homens e rapazes podem e devem ser aliados-chave.

Os serviços de saúde sexual e reprodutiva são um direito e, como a gravidez e o parto, os direitos humanos não param por pandemias. Juntos, vamos freiar o COVID-19 e salvaguardar a saúde e os direitos das mulheres e raparigas - agora!

Nenhuma organização ou país pode fazer isso sozinho. A pandemia é uma forte lembrança da importância da cooperação global. As Nações Unidas, que neste ano completam 75 anos, foram fundadas para promover a cooperação internacional na solução de problemas internacionais. À medida que a comunidade global se reúne em solidariedade para sobreviver a essa pandemia, estabelecemos as bases para sociedades mais resilientes e com igualdade de género e um futuro mais saudável e próspero para todos.