Notícias

Parteiras sem fronteiras: Empoderamento e acção em crises humanitárias

5 Maio 2019

De servir as mulheres de seu próprio país ... para servir o mundo. Dois jovens líderes africanas da obstetrícia - do Burkina Faso e do Chade - aplicam apaixonadamente as suas competências e energia para melhorar as vidas de mulheres e raparigas vulneráveis ​​afectadas por catástrofes naturais e crises humanitárias em Moçambique. Membros da equipe humanitária do UNFPA em Sofala, Moçambique, ambas jovens mulheres foram enviadas para apoiar a resposta do UNFPA Moçambique ao Ciclone Idai, que afectou 1.85 milhão de pessoas no centro de Moçambique, causando mais de 600 mortes e danificando casas e unidades de saúde.

Sabine Nana (de Burkina Faso) treina recém-formadas enfermeiras de saúde materno-infantil (parteiras) em habilidades de parto e também ajuda a estabelecer maternidades temporárias e unidades de saúde sexual e reprodutiva (SSR) nas unidades de saúde mais afectadas em áreas devastada pelo ciclone. Uma humanitária experiente, ela começou sua carreira no Ministério da Saúde em Burkina Faso e depois passou a servir com Médicos Sem Fronteiras nos campos de refugiados de Rohingya, em Bangladesh, bem como na RDC, Haiti e Mauritânia. Especialista em saúde e direitos sexuais e reprodutivos (SDSR), saúde materna e neonatal e violência sexual e baseado no género (VSBG), ela agora actua como especialista técnica em SSR e instrutora líder em Manejo Clínico de Estupro do UNFPA.

A dinâmica, determinada, enérgetica e sempre positiva Sabine fala da sua experiência humanitária em Moçambique:

“Cheguei algumas semanas depois que o ciclone Idai atacou. A terra começou a secar, mas as lágrimas do povo continuaram a cair. As pessoas perderam seus entes queridos, suas propriedades e suas memórias. Mulheres, crianças e adolescentes vivem em situação precária de falta de acesso a serviços de saúde de qualidade. Estou, portanto, comprometida com essa resposta para ajudar a prevenir gravidezes indesejadas, para ajudar as mulheres a ter acesso a um centro de saúde e assistentes de parto qualificados e a ter tratamento médico e apoio psicossocial em caso de violência. Como parteira, tenho muito orgulho de administrar essas actividades comunitárias em áreas remotas de Nhamantanda, Buzi e Dondo, que foram devastadas pelo ciclone ”.


Unidade Bandua SSR - severamente danificada pelo Ciclone Idai © UNFPA Moçambique/Sabine Nana

De manhã, Sabine inicia as visitas de campo ao distrito de Bandua e Buzi, a 400 km da capital, Beira. Ela sai de manhã cedo com uma equipe dedicada para erguer tendas de SSR e acomodação para a parteira que perdeu a casa, mas continua a trabalhanr em um centro de saúde sem teto. As inundações removeram todo o equipamento médico e medicamentos. O objectivo do UNFPA é alcançar áreas remotas, instalar e equipar tendas (para serem utilizadas como maternidade temporária e clínicas de SSR), fornecer medicamentos através de kits especializados de saúde reprodutiva (SR) e empregar uma parteira qualificada e treinada nesta tenda de SSR temporária. O dia “típico” na Beira parece uma simulação de treinamento de ato res humanitários(muito intensa e difícil!), mas a diferença é que, na Beira, não é uma simulação; estamos a responder a uma emergência real. O UNFPA investiu muito para treinar e preparar os membros da equipe, e isso ajuda muito a integrar e adaptar-se a qualquer situação de emergência, reflecte Sabine.

“Minha motivação diária é baseada no trabalho em equipe”, diz Sabine. “Tenho sorte de ter uma supervisora incrível e uma boa chefe de programa sorridenta. Eu tenho apoio dos outros e dou o que tenho para ajudar os outros. O trabalho ainda é muito, e ainda há um longo caminho a percorrer, mas teremos sucesso juntos.”

Quando perguntada sobre o que a inspirou a se tornar parteira, Sabine relata: “Quando eu era uma rapariga, minha mãe costumava passar o dia e a noite toda na unidade de saúde com uma mulher em trabalho de parto. E quando ela voltou para casa, ela estava sempre feliz e disse: “a mãe e o bebê são saudáveis”. Ela trabalhou muito porque estava sozinha a assistir partos para uma grande aldeia onde o uso do planeamento familiar não era comum. Quando terminei meus estudos, queria trabalhar como parteira ... especialmente para melhorar o uso do planeamento familiar. Foi uma maneira de ajudar minha mãe a ter menos partos para fazer, uma maneira de ajudar as raparigas a escapar da gravidez indesejada e continuar seus estudos… ”

“Mas finalmente, descobri que ser parteira é mais do que isso. Depois de cada entrega, estou muito feliz em fazer o anúncio para a família e aproveitar como eles celebram isso. Eu percebo que ajudar uma mãe a dar à luz e permanecer viva é uma grande missão para mim e, fazer isso em um ambiente de emergência é ainda mais gratificante e útil para a população afectada. Pelo menos eu sei que não sou um fardo, sou útil para a sociedade e isso me mantém mais engajada e inspirada como parteira ”.


Felicite (extrema direita) com colegas durante treinamento de VSBG no campo em área afectada por ciclones © UNFPA Moçambique/Alexandre Muianga

Felicite Ramadji (do Chade) é a personificação da resiliência e da compaixão. Sua natureza gentil, de fala mansa e sorriso amável, têm um jeito de fazer as pessoas se sentirem à vontade. A perda de sua tia durante o parto enquanto crescia a inspirou a se tornar parteira. Ela queria ajudar sua família e muitas, muitas mulheres em sua comunidade no Chade que estavam morrendo de complicações relacionadas à gravidez e ao parto.

Depois de trabalhar em um hospital no Chade por um ano, ela foi recrutada pelo Comitê Internacional de Resgate e começou a trabalhar com refugiados sudaneses. Mais tarde, ela passou a trabalhar na RDC e no norte de Camarões (áreas afectadas pelo Boko Haram) com o IRC e com os Doutores do Mundo na RDC. No curso de seu trabalho, ela viu muitas mulheres sofrendo violência sexual e baseada no género (SGBV) devido a normas culturais e de género, falta de conscientização sobre os direitos das mulheres e falta de educação. Ela sabia que tinha que fazer algo para ajudar a acabar com essa injustiça. Então ela treinou como assistente social e começou a trabalhar como coordenadora de proteção e ponto focal da VBG para agências humanitárias.

Não foi fácil para Felicite convencer sua família a deixá-la sair de casa, mas ela prometeu um dia retornar para ajudar sua própria comunidade e as mulheres de seu país que, lamenta, são tão marginalizadas. A violência contra as mulheres é sistemática, diz ela, e as mulheres não recebem apoio, a comunidade tolera a situação e tem a tendência de culpar a vítima. Ela quer aprender com outros países (que são mais avançados) e aplicar o que aprende para ajudar a elevar e capacitar as mulheres em seu próprio país.

Aqui em Moçambique, a Felicite mobiliza e sensibiliza as comunidades para proteger a dignidade, o bem-estar e os direitos das mulheres e raparigas, e para prevenir a violência sexual e de gênero. Ela é um membro chave da equipa do VSBG na Beira, trabalhando em colaboração com o governo e parceiros moçambicanos, para garantir o acesso a Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos (SDSR) de forma rápida e de alta qualidade, incluindo os delineados no Pacote Mínimo de Serviços Iniciais Inter-agenciamento global (MISP) para Saúde Reprodutiva em Emergências que inclui a disponibilidade de serviços abrangentes para complicações relacionadas à gravidez e violência sexual e baseado no género, assim como prevenção e tratamento de HIV / IST. Ela também apóia a implementação no campo de Espaços Seguros para Mulheres (WSS) apoiados pelo UNFPA e a distribuição de kits de dignidade, juntamente com educação e conscientização no nível da comunidade sobre questões de SSR e VBG.



Felicite distribuindo kits de dignidade na tenda no Espaço Seguro para Mulheres do UNFPA no centro de acomodação Samora Machel, Moçambique © UNFPA Moçambique/Natalia da Luz

“Quando nós [UNFPA] distribuímos os kits de dignidade”, ela diz, “você vê os sorrisos e as mulheres estão muito, muito felizes em receber este presente. Algo mudou em suas vidas. Porque eles perderam a maior parte de suas posses, até às vezes suas cartas de identidade e itens preciosos, devido ao desastre. Pensar sobre o passado e o que elas estão a enfrentar agora os torna às vezes irritadas e às vezes tristes, porque elas perderam muito. Mas quando o UNFPA vai a campo para vê-las, elas ficam tão felizes que esses kits de dignidade podem ajudá-las a cuidar de si mesmas. Até as ajuda a administrar sua menstruação. Quando tudo está perdido, não é fácil gerenciar a menstruação ... se você não tem nada para colocar. Isso faz você estressada e preocupada. Mas quando você recebe uma doação, ela sorri e garante que você não precisa se isolar. ”

A paixão e o comprometimento de Felicite por seu trabalho e sua profunda convicção de que as mulheres merecem ser livres de violência, medo e abuso derivam, em parte, de sua própria experiência como sobrevivente da própria violência baseada no género. Trabalhar nesse campo permitiu que ela se recuperasse de seu próprio caso, reflecte ela. Ela gosta de ajudar os outros, ouvir mulheres/sobreviventes. E depois, quando a sobrevivente começa a se recuperar e começa a sorrir e parar de chorar, ela se alegra ... não porque é o seu trabalho, mas porque ela é capaz de dar conforto, esperança e um sorriso para alguém que estava na mesma situação.

Erin Anastasi, Sabine Nana e Felicite Ramadji