You are here

O Planeamento Familiar em tempos de COVID-19

"Tivemos que recorrer ao método do 'ritmo' (um método 'baseado no calendário' onde você rastreia o  seu histórico de menstruação para determinar quando você está mais fértil), mas não foi fácil porque me deixou insegura e ansiosa por ver a que minha menstruação era muito grande e não me dava paz de espírito"

disse Malua, uma jovem da província de Tete em Moçambique.

Malua é uma das centenas de raparigas na província de Tete que recebem serviços de planeamento familiar por meio de brigadas móveis. Esses serviços garantem que os mais vulneráveis ​​- que de outra forma não teriam acesso direto ou fácil aos centros de saúde - recebam assistência médica e proteção que salva vidas quando mais precisam.

 


Uma mulher na província de Tete recebe uma injeção contraceptiva. ©UNFPA Moçambique, Vidal Mahundla

Enquanto o País respondia ao COVID-19 durante 2020, o Governo também concentrou- se em mitigar e diminuir os impactos secundários da pandemia.

Para mulheres e raparigas, a mobilidade restrita, às oportunidades econômicas reduzidas e o acesso direto ou fácil a escolas ou centros de saúde significaram que o acesso aos métodos de planeamento familiar tornou-se ainda mais desafiador.

Em março de 2020, Moçambique registou o seu primeiro caso de COVID-19. Essa situação colocou em alerta todos os profissionais de saúde que prestam serviços de planeamento familiar. Naquele mesmo mês, havia cerca de 2,8 milhões de mulheres em Moçambique usando contraceptivos modernos.[1]

Em resposta à pandemia, o Governo tomou medidas para retardar a evolução e o pico de COVID-19.

Em 2019, Malua começou a usar a prensa Sayana [injeção contraceptiva feminina com duração de 3 meses]. “A enfermeira me avisou que esse método tem duração de três meses, e que depois desse tempo eu poderia receber outra injeção por meio de brigadas móveis em minha comunidade.”

"Por causa do COVID-19, a brigada não apareceu por um curto período de tempo. Isso fez-me passar os meses de maio e abril desprotegida, correndo o risco de ter uma nova gravidez. Eu tinha preservativos e comprei mais, mas acabaram."


Uma enfermeira na província de Tete administra uma injeção contraceptiva de longo prazo. ©UNFPA Moçambique, Vidal Mahundla 

 

“Com o novo normal, sinto-me aliviada, porque voltei para receber uma injeção e em três meses, a enfermeira estará novamente na minha comunidade para me apoiar com novos e continuados métodos de contracepção.”

A pandemia de COVID-19 teve impactos imediatos e notáveis ​​no acesso das mulheres ao planeamento familiar. Dados extraídos do Sistema de Informação de Gestão de Saúde (DHIS-2) de 5 de novembro mostram que desde maio de 2020 o número mensal de novos usuários do planeamento familiar moderno reduziu significativamente de 315.095 para 208.235. Isso indica que há menos 344.000 mulheres que iniciaram a contracepção neste período do que no mesmo período em 2019 (Análise Situacional do Planeamento Familiar do UNFPA).

O UNFPA tem iniciativas existentes que apoiam o Governo para melhorar a acessibilidade dos serviços de planeamento familiar. Um desses programas é a Minha Escolha, que é financiado pelo Governo do Reino dos Países Baixos e visa acelerar os esforços para reduzir a gravidez indesejada entre raparigas e mulheres jovens, fortalecendo os sistemas de saúde, aumentando a disponibilidade de serviços de planeamento familiar e melhorando a acessibilidade e qualidade da informação. Este programa ajudou a manter o maior número possível de serviços de planeamento familiar durante a pandemia e continuará a fazê-lo até 2021.

O programa ‘Minha Escolha’, que decorre de 2017 a dezembro de 2021, é implementado a nível nacional e com enfoque nas províncias de Tete e Cabo Delgado. As principais atividades do programa Minha Escolha incluem o treinamento de ativistas masculinos e femininos em serviços e informações de planeamento familiar, apoio ao planeamento familiar e educação em saúde sexual e reprodutiva em escolas públicas e campanhas de informação e conscientização da comunidade.

A nível Nacional, o programa Minha Escolha assegurou em 2019, que  mais  de 3 milhões de casais fossem protegidos através dos diferentes métodos de contraceptivos (ultrapassando a meta de 2,75 milhões), bem como apoiou 251.140 mulheres adicionais em idade reprodutiva para usar um método contraceptivo moderno em comparação com a meta inicial de 2019 de 188.860 mulheres.

Esse tipo de iniciativa apoia enfermeiras de saúde materno-infantil, que trabalham para apoiar brigadas móveis na entrega de serviços de planeamento familiar e contraceptivos aos jovens locais. Pelas vivências dessas enfermeiras, fica claro que as mulheres e raparigas que elas apoiam passaram algum tempo sem usar métodos contraceptivos, enquanto outras tiveram que recorrer a métodos menos seguros, algumas delas engravidando.

O UNFPA continua a apoiar o Governo de Moçambique para garantir que as mulheres e raparigas superam alguns dos impactos secundários da crise do COVID-19, como os descritos por Malua.

Em 2020, o UNFPA apoiou iniciativas inovadoras para garantir a continuidade de serviços que salvam vidas e assegurar a respetiva proteção, incluindo brigadas móveis para tornar os contraceptivos e o planeamento familiar mais acessíveis a comunidades remotas, distribuição de kits básicos de dignidade contendo itens de higiene menstrual e sanitários, criando práticas para as mulheres e apoiando o fornecimento de linhas diretas nacionais para que mulheres e raparigas tenham acesso a informações oportunas e encaminhamento aos respectivos serviços de saúde.

[1] Impacto da pandemia do COVID-19 no planejamento familiar e no fim da violência de gênero, mutilação genital feminina e casamento prematuro

[2] Ibid