You are here

O papel do planeamento familiar em contextos humanitários - Ciclone Eloise

SOFALA, Moçambique — Desde que atingiu a costa no final de janeiro, o ciclone Eloise e as enchentes que se seguiram afectaram mais de 314.000 pessoas, incluindo 94.000 mulheres e raparigas vulneráveis. As equipas de resposta do UNFPA em Moçambique estiveram no terreno na província Central de Moçambique apoiando o Governo de Moçambique na prestação de assistência humanitária às pessoas mais afectadas.

Desde estradas inacessíveis a casas, escolas e hospitais danificados, muitas famílias se perguntaram na última semana, ‘por que sempre a província de Sofala?’ Ou alegando ‘agora sempre fazemos parte do caminho de um ciclone’. Esta é uma realidade particularmente difícil, pois as comunidades se recuperam da tempestade tropical Chalane apenas algumas semanas antes, e do ciclone de categoria quatro Idai, que causou estragos na vida de milhões de pessoas em maio de 2019.


Monitoria de contraceptivos e medicamentos essenciais para a saúde materna no armazem provincial. ©Epidauro Manjate/UNFPA Moçambique

Em resposta ao impacto contínuo e à vulnerabilidade climática, o UNFPA, a agência das Nações Unidas para saúde sexual e reprodutiva, está a priorizar a protecção urgente e as necessidades de saúde de mulheres e raparigas que muitas vezes passam despercebidas em desastres naturais.

ASSEGURANDO O FORNECIMENTO DE SUPRIMENTOS

Juntamente com a instalação de tendas de saúde temporárias e distribuição de kits de dignidade, o UNFPA está a trabalhar com o governo provincial para garantir a continuação dos serviços de saúde e protecção, que incluem um fornecimento confiável e acesso contínuo a contraceptivos e medicamentos para saúde materna, mesmo em meio a um ciclone.

No início de fevereiro, o UNFPA visitou o armazém central na cidade de Sofala, capital da Beira, com o governo provincial para monitorar e avaliar a disponibilidade actual de contraceptivos e produtos de saúde materna para evitar riscos de falta de estoque. Muitos dos contraceptivos no armazém vieram de financiamento e apoio de compras do UNFPA.

O UNFPA estima que o ciclone afectou cerca de 75.450 mulheres em idade reprodutiva; sem intervenção urgente, mais de 21.570 daquelas mulheres que precisam de contraceptivos enfrentam riscos de gravidez indesejada se não puderem acessar o planeamento familiar.

A quantidade actual de contraceptivos e medicamentos para a saúde materna precisa ser aumentada, para que todas as mulheres e raparigas possam se beneficiar e não sejam deixadas para trás. Temos de garantir uma disponibilidade de stock de, pelo menos, três meses”, partilha Manuel Ticha, ponto focal da Direcção Provincial de Saúde de Sofala.

Mesmo antes de um ciclone, 25% das gravidezes entre raparigas de 15 a 19 anos em Moçambique eram indesejadas ou não planeadas. O UNFPA está a trabalhar em estreita colaboração com o governo e parceiros para garantir um fluxo constante de suprimentos de planeamento familiar, como uma forma de reduzir a mortalidade materna e infantil, fornecendo protecção dupla contra a gravidez e a transmissão do HIV e outras DSTs.

Com mais de 86 centros de saúde danificados, o risco de serviços oportunos e acessíveis fica comprometido. Num ambiente humanitário, mulheres e raparigas em idade reprodutiva não devem correr o risco de perder a capacidade de planear as suas famílias e o futuro e proteger a sua saúde e corpo.


O UNFPA junta-se à Direcção Provincial de Saúde na monitoria de produtos de saúde essenciais em resposta ao Ciclone Eloise. ©Epidauro Manjate/UNFPA Mozambique

Estamos a ver um aumento no uso de métodos contraceptivos de longa duração, como o implante, que é acessível, reversível, seguro e eficaz. Isso ajuda a apoiar a capacidade de mulheres e raparigas de planear as suas vidas e futuro - dando-lhes uma coisa a menos com que se preocupar enquanto se recuperam do ciclone Eloise e da tempestade tropical Chalane ”, disse Hidayat Kassim, Coordenador Humanitário na província de Sofala.

OFERECENDO CUIDADOS COM BASE REMOTA

Uma vez que os stocks de contraceptivos são contados e o inventário é feito, os itens essenciais começam a ser distribuídos aos centros de saúde em toda a província para garantir o acesso equitativo para mulheres e raparigas vulneráveis. Reconhecendo, no entanto, que muitos centros de saúde foram danificados e destruídos, as equipas de saúde começaram a usar brigadas móveis para fornecer atendimento remoto.


O UNFPA visita uma clínica móvel de saúde e brigadas móveis em centros de acomodação para mulheres afectadas por ciclones. ©Hidayat Kassim/UNFPA Mozambique

Equipes de saúde, compostas por técnicos médicos e enfermeiras de saúde materno-infantil, viajam para centros de acomodação e áreas de reassentamento, para fornecer diretamente serviços de planeamento familiar e saúde materno-infantil para milhares de mulheres e raparigas deslocadas que não podem viajar.

Essas equipes móveis fornecem serviços de saúde sexual e reprodutiva que salvam vidas diretamente para mulheres e raparigas afectadas pelo ciclone, um passo crítico para prevenir gravidezes indesejadas e complicações obstétricas.