You are here

O impacto dos mapas georreferenciados e porque eles são vitais para os serviços sociais

Por Alexandre Chimtengo, Oficial de Planeamento no Gabinete de Administração Distrital de Mechanelas, Província de Niassa.

Estas histórias fazem parte de uma nova série, intitulada: ‘Historias de Mapeamento: Dados, População & Perspetivas de Desenvolvimento do campo’.

O meu trabalho mudou em 2020, quando de acordo com o novo plano de 5 anos do Governo, o planeamento e implementação das atividades de desenvolvimento seriam descentralizados para o nível local. Isto significou que a minha equipa e eu, como administração distrital local, tínhamos de identificar áreas específicas onde, por exemplo, postos de saúde, escolas e pontos de água, precisavam ser construídos. Em setembro de 2019, o Administrador do Distrito solicitou que eu fornecesse um plano para o distrito e conduzisse uma avaliação das necessidades. Foi muito difícil para mim, identificar as áreas exatas que necessitavam, pois o meu distrito é muito grande (cerca de 50,000 quilómetros quadrados) e a maioria das estradas estão em más condições, tornando as viagens e o acesso bastante desafiadores.

Enquanto lutava com o meu planeamento, recebemos os resultados detalhados do Censo Populacional e Habitacional de 2017, que me forneceu as informações que eu procurava. Esses resultados mostraram-me a população total do distrito e como estavam distribuídos. Isso deu-me uma boa ideia de por onde começar. No passado, essa informação era fornecida para todo o distrito sem especificar como a população estava dispersa. Embora a nova informação dissesse-me a distribuição da população em todo o distrito, não fornecia detalhes sobre escolas, unidades sanitárias e pontos de água disponíveis, por exemplo. Isso foi fundamental, pois me diria a distância que alguém tem que viajar para aceder a uma instalação ou quantas pessoas são atendidas por um determinado ponto de água. Mais informações eram necessárias para aumentar e determinar estrategicamente onde e quais serviços fornecer, de modo a torná-los o mais acessíveis possível às comunidades.

Liderei a equipa de planeamento enquanto visitamos diferentes áreas e avaliamos a disponibilidade e o acesso das pessoas aos serviços sociais. A equipa conseguiu alcançar apenas 5 locais ao longo da estrada principal entre Mecanhelas e Cuamba. As restantes áreas (6) não eram acessíveis devido ao mau acesso rodoviário. Informei ao administrador que o exercício de planeamento demoraria mais do que o planeado originalmente. Enquanto lutava com esta questão, o Instituto Nacional de Estatística (INE) deu-nos mapas do distrito e das suas 11 localidades. Estes mapas foram georreferenciados e a delegação do INE na Província de Niassa treinou-nos sobre como interpretar e usar os mapas.

Lançamento dos primeiros mapas georreferenciados na Província de Maputo, Moçambique©UNFPA Moçambique/Epidauro Manjate

Aprendemos que um mapa georreferenciado significa que ele mostra a localização exata de qualquer coisa detalhada no mapa. Esses mapas mostram a distribuição da população, a disponibilidade e localização exata de escolas, postos de saúde e pontos de abastecimento de água, por exemplo. Com essas informações, conseguimos identificar as áreas mais carentes e estimar a distância entre as comunidades e os serviços sociais. O exercício de planeamento é muito mais fácil e agora podemos atender às necessidades identificadas. Por exemplo, embora o distrito tenha cerca de 20 unidades sanitárias, os mapas mostram-nos que a maioria dessas unidades sanitárias está concentrada ao longo da estrada principal entre Mecanhelas sede e Cuamba, apenas apoiando uma parte da população. A maioria das áreas distantes da estrada principal, onde vive a maioria das pessoas, não tem instalações de saúde e educação, e as estradas em más condições fazem com que muitos não possam viajar muito para buscar serviços essenciais.

Agora podemos planear o fornecimento de serviços nesses locais remotos. Outro aspecto interessante desses mapas é que eles mostram o tipo de instalação disponível. Por exemplo, para uma unidade sanitária, mostra se a unidade é um posto de saúde básico sem serviços de maternidade ou um centro de saúde com maternidade. A partir destes mapas, o Administrador do Distrito tem agora uma ideia abrangente dos serviços disponíveis no distrito e das lacunas. O mesmo se aplica às escolas. O mapa mostra a sua localização e acesso. Da mesma forma, determinamos que a maioria das escolas se concentra ao longo da estrada principal, com a maioria da população que mora longe e não tem acesso adequado à escola. Nesta capacidade, você se pergunta quantas crianças não conseguiram obter educação ou quantas raparigas e mulheres não conseguiram obter suporte de saúde adequado. Eu sou um planejador melhor agora porque tenho uma ferramenta poderosa para planear.

------

* Sobre o Projeto do Censo:

O censo populacional e habitacional de Moçambique de 2017 foi enumerado com sucesso em agosto de 2017 com assistência técnica e financeira de um fundo fiduciário de vários doadores (DFID, Noruega, Suécia, Canadá e Itália) e apoio técnico do UNFPA em coordenação com o Banco Mundial. Após a enumeração, o mesmo Fundo Fiduciário está atualmente financiando 100% da produção dos mapas georreferenciados e outras atividades de divulgação do censo.