You are here

Novas projeções do UNFPA prevêem um impacto calamitoso na saúde das mulheres, enquanto a pandemia do COVID-19 continua

Mais de 47 milhões de mulheres podem perder o acesso à contracepção, levando a 7 milhões de gravidezes indesejadas nos próximos meses.

Nova York, EUA, 27 de abril de 2020 - À medida que a pandemia do COVID-19 continua, o número de mulheres incapazes de acessar o planeamento familiar, enfrentando gravidezes indesejadas, violência de género e outras práticas prejudiciais, pode disparar milhões de casos nos próximos meses, de acordo com dados divulgados hoje pelo UNFPA, a agência de saúde sexual e reprodutiva das Nações Unidas.

A pesquisa revela a enorme escala do impacto que o COVID-19 está a causar nas mulheres, à medida que os sistemas de saúde ficam sobrecarregados, as instalações fecham ou fornecem apenas um conjunto limitado de serviços para mulheres e meninas, e muitos optam por pular exames médicos importantes por medo de contrair o vírus. As interrupções na cadeia de suprimentos global também podem levar a uma escassez significativa de contraceptivos, e a violência baseada em género deve aumentar à medida que as mulheres ficam presas em casa por períodos prolongados.

“Esses novos dados mostram o impacto catastrófico que o COVID-19 em breve poderá ter sobre mulheres e raparigas em todo o mundo. A pandemia está a aumentar as desigualdades, e milhões de mulheres e raparigas agora correm o risco de perder a capacidade de planejar as suas famílias e proteger os seus corpos e a sua saúde ”, disse a Dra. Natalia Kanem, diretora executiva do UNFPA. “A saúde e os direitos reprodutivos das mulheres devem ser salvaguardados a todo custo. Os serviços devem continuar; os suprimentos devem ser entregues; e os vulneráveis devem ser protegidos e apoiados."

PRINCIPAIS PROJEÇÕES:

● 47 milhões de mulheres em 114 países de baixa e média renda podem não ser capazes de acessar contraceptivos modernos e 7 milhões de gravidezes indesejadas deverão ocorrer se o bloqueio persistir por 6 meses e houver grandes interrupções nos serviços de saúde. A cada três meses o bloqueio continua, até mais 2 milhões de mulheres podem não ser capazes de usar contraceptivos modernos.

● Pode-se esperar que 31 milhões de casos adicionais de violência de género ocorram se o bloqueio continuar por pelo menos 6 meses. A cada três meses o bloqueio continua, são esperados mais 15 milhões de casos extras de violência de género.

● Devido à interrupção de programas para prevenir a mutilação genital feminina em resposta ao COVID-19, 2 milhões de casos de mutilação genital feminina podem ocorrer na próxima década que poderiam ter sido evitados.

● O COVID-19 interromperá os esforços para acabar com o casamento prematuro, resultando potencialmente em mais 13 milhões de casamentos infantis entre 2020 e 2030 que, de outra forma, poderiam ser evitados.

O UNFPA está a trabalhar com governos e parceiros para priorizar as necessidades de mulheres e raparigas em idade reprodutiva e responder urgentemente durante a desafiadora emergência de saúde pública. As nossas prioridades estão focadas no fortalecimento dos sistemas de saúde, na aquisição e fornecimento de suprimentos essenciais para proteger os profissionais de saúde, na garantia de acesso a serviços de saúde sexual e reprodutiva e na violência de género, além de promover a comunicação de riscos e o envolvimento da comunidade..

A pesquisa foi conduzida pelo UNFPA, com contribuições da Avenir Health, Johns Hopkins University (EUA) e Victoria University (Austrália). As suas projeções foram baseadas em pesquisas recentes do UNFPA sobre o que será necessário para alcançar os objetivos da organização até 2030. Para cada estimativa, os pesquisadores projetaram o impacto direto do COVID-19 na questão em questão e o combinaram com a interrupção dos programas globais de prevenção causados pela pandemia.

● Acesse as projeções em www.unfpa.org

● Acesse o Plano de Resposta Global COVID-19 do UNFPA aqui.

Sobre o UNFPA

O UNFPA é a agência de saúde sexual e reprodutiva das Nações Unidas. A nossa missão é entregar um mundo onde toda a gravidez é desejada, todo parto é seguro e o potencial de cada jovem é cumprido. Trabalhamos em países em desenvolvimento e emergências humanitárias para garantir que as mulheres possam acessar o planeamento familiar, acabar com as mortes maternas evitáveis e eliminar a violência de género e práticas prejudiciais, como a mutilação genital feminina e o casamento infantil.

Para perguntas sobre mídia e entrevistas, entre em contato com:

● Malene Arboe-Rasmussen (baseada em Copenhague): +45 6166 1291; arboe-rasmussen@unfpa.org

● Eddie Wright (baseado em Nova York): +1 917 831 2074; ewright@unfpa.org