Notícias

"Na minha comunidade, muitas meninas param de estudar, sofrem violência e enfrentam gravidez precoce".

21 Novembro 2019
©Nathaly Guzmán e Luísa Galvão/UNFPA Mozambique

Nampula, Moçambique - Metânia (18) é uma das mais de 1.000 mentoras do Programa Conjunto Rapariga Biz na província de Nampula que participou de um treino de um dia sobre violência de género (VBG) em outubro, como parte da nova Iniciativa global em destaque para eliminar todas as formas de violência contra mulheres e meninas, liderada pela União Europeia e pelas Nações Unidas. Em março deste ano, o Governo de Moçambique e as Organizações da Sociedade Civil começaram a implementar a Iniciativa Spotlight em Moçambique. A Iniciativa Spotlight é coordenada de perto com programas relacionados, como o programa Rapariga Biz, para garantir sinergias. Na província de Nampula, a Iniciativa Spotlight concentra-se em quatro distritos onde o programa Rapariga Biz já está a ser implementado, e isso serviu como uma plataforma oportuna para reforçar o conhecimento sobre a violência baseada em género entre mil mentoras ativas.

"Este treino é muito importante porque estamos a aprender sobre que tipos de violência de género existem nas nossas comunidades, e eu, como mentora, quero que as minhas meninas reconheçam quando sofrem de violência, para que possam ir a algum lugar onde possam ser ajudadas, e assim elas podem saber que existem pessoas lutando contra esse tipo de violência ".

De acordo com a Pesquisa Demográfica de Saúde (DHS) de 2011 em Moçambique, 34% das mulheres entrevistadas na província de Nampula se identificaram como vítimas de violência física e 7,9% como vítimas de violência sexual. 38,7% das mulheres entrevistadas vítimas de violência física ou sexual declararam não contar a ninguém sobre a violência que sofreram, nem buscaram ajuda. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), Estatísticas de Violência Domestica 2014-2016, 23,6% das mulheres e 10,4% dos homens apontam pelo menos um motivo que justifica a violência doméstica contra as mulheres.

O programa Rapariga Biz, implementado pelo UNFPA e as suas organizações irmãs da ONU (UNICEF, UN WOMEN e UNESCO) com fundos da Embaixada da Suécia em Maputo, do Departamento de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DFID) e do Governo do Canadá, foi lançado em agosto de 2016 e tem como alvo 1 milhão de meninas e mulheres vulneráveis nas províncias da Zambézia e Nampula, com empoderamento, saúde e direitos sexuais e reprodutivos, liderança, cidadania e direitos humanos, com o objetivo de impedir o casamento infantil e a gravidez na adolescência.

A espinha dorsal do Rapariga Biz é a abordagem do Modelo de Espaço Seguro, que permite que meninas e jovens adolescentes se reúnam regularmente num espaço seguro e para discutir e aprender sobre as suas habilidades de vida e SSR, se expressar e compartilhar experiências. As mentoras recebem treino abrangente para adquirir conhecimentos e habilidades para liderar sessões de orientação nas suas comunidades. Aproveitando a sinergia natural entre os dois programas, as mentoras do programa Rapariga Biz receberam treino adicional para reforçar e introduzir novos conhecimentos e habilidades em torno da VBG, aprofundando a compreensão dos fatores, tipos e impactos subjacentes da VBG, concentrando-se especialmente no conhecimento e habilidades para desafiar normas prejudiciais, capacitar os sobreviventes e encaminhá-los para instituições que possam ajudá-lo, em práticas que podem ser tomadas para aumentar a consciencialização e capacitar as meninas a reconhecerem e se protegerem contra diferentes formas de VBG.

"O treino foi muito bom, aprendemos muito. Com os ensinamentos e esclarecimentos que eles nos trouxeram hoje, aproveitando o conhecimento que já tínhamos, mas aprofundando, agora temos mais domínio sobre esse assunto e, finalmente, a parte mais importante dele. Foi: aprender o que fazer e para onde devemos encaminhar pessoas que sofrem violência, porque não basta saber o que é violência [...] se não sabe como intervir. " Eva (18)

"Quero ser uma mentora pela simples razão de que a nossa sociedade precisa que mais pessoas estejam cientes de todas as violações que ocorreram contra mulheres e crianças. Há muitas pessoas que testemunham a violência e permanecem caladas. Com esse papel de mentora, tenho mais chances de falar sobre a violência que vejo e posso contribuir e sensibilizar as pessoas para que as coisas não devam ser assim ".

De acordo com o princípio da Spotlight Initiative de "não deixar ninguém para trás", o treino também introduziu novos conhecimentos sobre a inclusão de pessoas com deficiência. Durante o treino, as mentoras foram orientadas numa reflexão sobre deficiências, incluindo mitos e realidades sobre pessoas com deficiência e normas sociais, vulnerabilidade à VBG entre pessoas com deficiência, falta de acesso a serviços e dicas para tornar as sessões de mentores mais inclusivas para meninas com deficiência nos espaços seguros Rapariga Biz.

"O que mais me emocionou hoje foi a constatação de que, quando conversamos com pessoas sobre violência de gênero, esquecemos as pessoas com deficiência".

Uma mentora, Rosimina (19), contou como ser mentora teve tanto impacto na sua vida. Criada por uma mãe solteira, Rosimina lutou para frequentar a escola devido a dificuldades financeiras, mas acabou conseguindo, está a trabalhar duro para se formar e desde então se tornou mentora. Ela nunca imaginou que um dia seria capaz de compartilhar as suas opiniões em público, como fez ao conceder esta entrevista para o mundo ouvir. O seu trabalho como mentora também tem sido gratificante. Uma das atuais mentoradas de Rosimina era tímida, não frequentava a escola e enfrentava violência na sua casa. Mas essa rapariga conseguiu encontrar Rosimina e começou a participar de sessões de orientação num espaço seguro, e agora está integrada de volta à escola.

"As mensagens do treinamento de hoje eram todas importantes e eu gostei delas. O ponto mais importante [para mim] foi: vamos acabar com o casamento precoce, a gravidez precoce e não permitir a violência contra mulheres e meninas".