You are here

Não deixar ninguém para trás: soluções das TICs para educar jovens, pessoas com deficiência e populações rurais nos idiomas locais para reduzir a disseminação do COVID-19: 3 parcerias exclusivas

A pandemia do COVID-19 impactou e impôs novas realidades e desafios a todos nós, principalmente aos adolescentes e jovens. Simultaneamente, essa pandemia desencadeou uma demanda sem precedentes por soluções de tecnologia digital de saúde e outras abordagens inovadoras para compartilhar informações oportunas, localizadas e específicas de contexto, na ausência de serviços regulares, como escolas e instituições de saúde favoráveis aos jovens. Os jovens, profundamente preocupados com essa realidade, tornaram-se parceiros altamente eficazes nos esforços do COVID-19, expressando ativamente os seus pontos de vista, propondo soluções de ponta e influenciando a formulação de políticas.

Em Moçambique, o UNFPA está a trabalhar com a juventude e adotando a inovação, para apoiar o governo a conter o surto de COVID-19 com intervenções como diálogos da comunidade, diálogos de rádio para jovens e campanhas de mídia social. As tecnologias móveis e as mídias sociais estão a provar ser vitais na resposta ao surto de COVID-19 por vários motivos, incluindo a partilha de informações para aconselhar e informar o público sobre medidas de prevenção, tratamento e acompanhamento. Jovens moçambicanos, apoiados pelo UNFPA, estão a capitalizar essas ferramentas para garantir que todos tenham acesso oportuno a informações confiáveis na ponta dos dedos.

Dika, um aplicativo Android apoiado pelo UNFPA, é um grande exemplo desse forte movimento. O Dika foi lançado pela primeira vez em junho de 2019 pelo Vice-Ministro da Juventude e desportos, com o principal objetivo  de servir como uma plataforma em que os jovens moçambicanos pudessem acessar serviços favoráveis e informações essenciais relacionadas aos seus direitos sexuais e reprodutivos.

“É mais importante do que nunca trazer os jovens para a mesa, permitindo que eles compartilhem as suas perspectivas e idéias. Em parceria com os jovens criadores do DIKA, somos capazes de alcançar os jovens moçambicanos com mensagens adaptadas a eles, em tempo útil, aproximando-nos um pouco do achatamento da curva ”, compartilha Andrea M. Wojnar, Representante Residente do UNFPA em Moçambique.

Em meados de março, Dika abriu uma nova categoria no seu aplicativo, onde os jovens podem acessar informações confiáveis e fáceis de ler sobre as características, prevenção, tratamento, acompanhamento, mitos e muito mais sobre o COVID-19.

“O Dika não é imune ao COVID-19 e, com uma nova versão, temos um conteúdo mais informativo sobre essa pandemia. É de responsabilidade da DIKA atualizar os seus utilizadores sobre o Coronavírus, os seus sintomas, formas de disseminação, medidas preventivas e possíveis tratamentos”, compartilha Jofre Bamo, CEO da DIKA. A DIKA está a trabalhar em estreita colaboração com o UNFPA e o Ministério da Saúde para garantir um fluxo confiável e constante de informações no aplicativo e nas mídias sociais, onde alcançaram mais de 95.000 pessoas com mensagens COVID-19.

O UNFPA também está a apoiar a Viamo, uma empresa social que opera no campo das telecomunicações, para operar o Serviço 3-2-1, uma linha direta gratuita de informações automatizadas que comunica por áudio usando a tecnologia "Interactive Voice Response" (IVR), que permite qualquer pessoa, independentemente do nível de alfabetização, acessar as informações. As mensagens foram traduzidas para oito idiomas, incluindo Português, Makua, Changana, Sena, Ndau, Chope, Makonde e Chuabo e têm potencial para atingir mais de 10 milhões de pessoas. As mensagens incluem detalhes sobre o vírus, mas também informam os jovens sobre o seu papel fundamental na prevenção da propagação do vírus.

Além disso, o UNFPA está a tomar medidas para garantir que as atividades de preparação e resposta ao COVID-19 considerem as necessidades específicas de pessoas com deficiência, especialmente raparigas e mulheres com deficiência. Em geral, mulheres e jovens com deficiência enfrentam barreiras em situações de emergência humanitária, particularmente barreiras criadas pela falta de informações acessíveis e acomodações razoáveis para atender às necessidades relacionadas à deficiência. Numa consulta global realizada em 2015 pela Handicap International com pessoas com deficiência, organizações de pessoas com deficiência (DPOs) e atores humanitários, apenas 24% dos 769 entrevistados observaram que receberam 'informações adequadas num contexto de crise', embora mais de metade (55%) observou a importância de 'obter informações acessíveis sobre a disponibilidade de serviços ou durante a prestação de serviços'.

Para enfrentar essas barreiras, o UNFPA fez parceria com a TVSurdo, uma ONG moçambicana de jovens com deficiência, especializada na produção e disseminação de conteúdo acessível, voltado para jovens e deficientes.

A experiência da TV Surdo em questões de inclusão e deficiência, bem como o seu amplo conhecimento dos atores da deficiência, coloca-os numa posição única em Moçambique, onde a maioria das informações é disseminada sem considerar questões de acessibilidade e inclusão. Com o apoio do UNFPA, a TVSurdo está a produzir vídeos acessíveis que incluem mensagens claras, legendas e linguagem de sinais, para divulgar informações importantes para mulheres grávidas, sobreviventes de violência de género e jovens.

“A informação é o maior remédio. Portanto, se as medidas de prevenção e resposta ao coronavírus ignoram as pessoas com deficiência, sua eficácia é certamente questionada. Para impedir a disseminação do COVID 19, a TVSurdo está a produzir materiais que podem ser acessados por todos”, compartilha o Sr. Sousa Camanguira, gerente de advocacia da TVSurdo, através de um intérprete de linguagem gestual.

Os vídeos produzidos pela TVSurdo serão transmitidos nos dois principais canais de televisão do grupo SOICO (Stv e Stv News), TVM e TIM, e compartilhados em plataformas online como WhatsApp, Facebook, YouTube, Twitter e Mailchimp.

Nos meses seguintes, o UNFPA continuará a capitalizar em tecnologia e inovação para garantir que as nossas mensagens e serviços cheguem aos jovens moçambicanos no contexto do COVID-19. Mais importante ainda, o UNFPA acredita no poder do conteúdo dirigido pelos jovens e para jovens e continuará a investir em parcerias para apoiar organizações lideradas por jovens que demonstram a sua imensa habilidade e capacidade de projetar e desenvolver ferramentas e plataformas que atingem todos os públicos de importância crucial, informações que salvam vidas.