You are here

Financiamento da Noruega para fortalecer serviços de VBG e saúde sexual e reprodutiva para quase 500,000 mulheres e raparigas afetadas por ciclones em meio à pandemia

Maputo - O financiamento adicional do Governo da Noruega de $1,1 milhões de dólares norte americanos permitirá que o UNFPA apoie o Governo de Moçambique na resposta ao surto de COVID-19, com foco em garantir a saúde, proteção e segurança de 500,000 mulheres e raparigas nas áreas afetadas pelos ciclones Idai e Kenneth.

Mulheres e raparigas pagam um preço alto durante as crises humanitárias - sendo mais propensas a morrer de complicações na gravidez e no parto ou enfrentando maiores riscos de violência baseada no género (VBG). Compreendendo estes desafios conhecidos, o financiamento adicional mitiga estas consequências e aumenta a disponibilidade de serviços, cuidados e apoio, com enfoque nos serviços de saúde sexual e reprodutiva (SSR), protecção e prevenção da violência baseada no género, nas províncias de Sofala e Cabo Delgado.

“A Noruega está totalmente empenhada em apoiar aqueles que respondem às necessidades de raparigas e mulheres vulneráveis que já estão a se recuperar de ciclones devastadores, e agora enfrentam os impactos de uma pandemia cada vez pior,” diz S.E. Sra. Aud Marit Wiig, Embaixadora da Noruega em Moçambique. “Ao proteger e promover a saúde sexual e reprodutiva de mulheres e raparigas e garantir uma vida livre de violência e danos, estamos a contribuir para um mundo mais sustentável e com igualdade de género, enquanto reconstruímos a resiliência e a dignidade de mulheres e raparigas em Moçambique. ”

Através do apoio norueguês, o UNFPA e os parceiros se concentrarão no fortalecimento da capacidade de mulheres e raparigas, incluindo jovens e pessoas com deficiência, para exigir e continuar tendo acesso a serviços de qualidade, mas também para fortalecer a sua resiliência e agência durante a transição da fase de reabilitação pós-desastre para a fase da reconstrução.

“Embora todos os contextos afetados pela crise tragam um risco maior de VBG e os ciclones não sejam diferentes, a pandemia traz os seus próprios fatores únicos que devem ser tratados. O UNFPA é grato ao Governo da Noruega por reconhecer esses riscos elevados e fornecer financiamento adicional para continuar a priorizar os direitos, segurança, proteção e bem-estar de raparigas e mulheres durante essas crises humanitárias agravadas”, disse Andrea M. Wojnar,  Representante do UNFPA Moçambique.

Em 2019, o Governo da Noruega organizou a ‘Conferência de Oslo’ como um grito de guerra para acabar com a violência sexual e de género (VSBG) em crises humanitárias. Por meio da sua liderança para promover a defesa e a atenção sobre o assunto, a conferência (a primeira do seu tipo) mobilizou fortes compromissos políticos e financeiros e aumentou a consciencialização para prevenir incidentes e proteger as pessoas em risco de tal violência em situações humanitárias.

“18 meses desde a principal conferência internacional ‘Oslo’, o Governo da Noruega continua a demonstrar a sua liderança, mobilizando parceiros e fornecendo financiamento para parceiros que trabalham para prevenir e responder à violência sexual e baseada no género. É imperativo continuarmos a priorizar a prevenção da violência sexual e de género em situações humanitárias, de modo a limitar o trauma já vivido pelas populações afetadas”, afirma Wojnar.

Globalmente, o UNFPA estima que para cada três meses de bloqueio que continua, um adicional de 15 milhões de casos adicionais de violência baseado no género são esperados e podem causar uma redução de um terço no progresso para acabar com a VBG até 2030.

As principais atividades do projeto para mitigar os impactos secundários do COVID-19 para as populações já vulneráveis incluem:

Envolver as comunidades, incluindo trabalhadores comunitários de saúde, ativistas, mulheres líderes da comunidade e outros na vigilância ao COVID-19 na comunidade, e garantir que as medidas de controle e prevenção de infecções estejam em vigor em áreas residenciais que hospedam populações vulneráveis. 

Apoiar o call center baseado em Maputo para responder às necessidades únicas de mulheres e raparigas afectadas pelo Covid-19.

Estabelecer centros de "parada única" em campos de reassentamento e comunidades para fornecer serviços médicos, psicossociais e jurídicos integrados imediatos aos sobreviventes da violência.

Distribuir "kits de dignidade" feminina e vales eletrónicos para permitir que mulheres e raparigas comprem itens, incluindo pensos higiénicos femininos, roupas íntimas, lanternas e apitos, para cuidar da sua segurança e bem-estar.

Implantar clínicas de saúde todo-o-terreno em áreas remotas para fornecer cuidados urgentes e integrados de saúde reprodutiva e planeamento familiar, incluindo exames gerais pré-natais e distribuição de contraceptivos.

Organizar campanhas de consciencialização da comunidade sobre violência baseado no género e atividades em espaços seguros estabelecidos para mulheres.

Fornecer capacitação virtual para assistentes sociais e de saúde, ativistas comunitários e outros, para garantir um padrão mínimo de serviços de VBG e de saúde sexual e reprodutiva.

 

O financiamento complementa o apoio generoso do Governo da Noruega ao UNFPA em resposta aos ciclones Idai e Kenneth, reiterando o seu investimento na igualdade de género e no empoderamento de mulheres e raparigas. Na sequência de ambos os ciclones, o UNFPA prestou mais de 1,1 milhão de serviços a cerca de 400,000 pessoas necessitadas, o que foi possível graças ao apoio do Governo da Noruega e de outros doadores.