Notícias

"Eu não conseguia reconhecer o meu próprio rosto." Empoderada a recuperar a sua identidade.

25 Setembro 2019

Maputo, Moçambique - Ana Maria * (30) sofreu abuso psicológico, emocional e físico do marido por anos e ainda se sente angustiada quando se olha no espelho ou vê uma foto sua. "O meu rosto sofreu alguma transformação, então não me sinto confortável em filmar ou tirar fotos", diz ela.

Globalmente, pelo menos uma em cada três mulheres sofreu violência física ou sexual, geralmente nas mãos de um membro da família ou parceiro íntimo. Essa violência geralmente deixa marcas profundas na vida dessas mulheres e meninas.

Ana Maria e o seu marido se casaram quando ela tinha 20 e ele 23 anos. Os primeiros quatro anos foram pacíficos até que ele decidiu trabalhar na África do Sul. Quando ele voltou para casa, Ana Maria trabalhava como empregada doméstica e muitas vezes estava fora de casa. Ela descobriu que o marido estava a trazer outras mulheres para a sua casa. Quando ela o confrontou, o abuso físico começou.

Ela perdoou o marido, e ele logo voltou à África do Sul e a convenceu a segui-lo. Quando ela chegou, descobriu que ele havia começado a beber muito. Cansada de não ter dinheiro para comer e de cuidar dos filhos, Ana Maria entrou em contacto com um primo do sexo masculino para obter ajuda para voltar a Moçambique. O seu marido ouviu e acreditou que ela estava a conversar com um amante. "Foi quando a grande violência começou", diz ela. "Foi então que descobri que aqueles bastões da polícia tinham ferro neles. Ele me bateu por mais de uma semana".

Um dia, ela encontrou forças para sair e se aproximou de dois homens que falavam a sua língua materna. Ela usou um dos seus telefones para ligar para a mãe. Os seus tios foram contactados e conseguiram levar ela e a filha de volta a Moçambique, mas o marido logo o seguiu. Ela já havia começado a trabalhar novamente, e ele sentiu-se frustrado por ela estar empregada, e ele não. Os espancamentos começaram de novo; um dos seus irmãos a aconselhou a ir a um Centro de Atendimento Integrado para Vítimas de Violência (CAI).

Isso foi há dois anos. Ela convenceu o marido a participar das suas sessões de terapia e isso minimizou a violência. Ela sabia que poderia contar com a assistência da equipa de suporte do CAI.

Depois de algum tempo, ela percebeu que era hora de parar completamente a violência. “Tomei a decisão de deixar o meu marido abusivo. Rezei a Deus para me dar forças para continuar a cuidar e educar os meus filhos.” Ela expressou sincera gratidão ao CAI pela ajuda para reconstruir a sua auto-estima e lembrá-la de que ela é capaz de fazer tudo sozinha. "Quero ver todas as mulheres em Moçambique empoderadas, para que possam lutar pelos seus sonhos e apoiar os sonhos dos seus filhos", diz Ana Maria vividamente.

Em Moçambique, mais de uma em cada três mulheres (37 por cento) sofreu violência física ou sexual em algum momento da sua vida, com taxas mais altas (43 por cento) entre as mulheres jovens de 20 a 24 anos, segundo dados da pesquisa demográfica e de saúde de 2011. (DHS, 2011).


Mulheres reunidas em frente ao Centro de Atendimento Integrado para Vítimas de
Violência na Província de Nampula ©Santiago Goicoechea/UNFPA Mozambique

Quase 7% das mulheres sofreram violência sexual nos últimos 12 meses, com taxas mais altas relatadas nas áreas urbanas (8%) do que nas áreas rurais (6%) e entre as mulheres jovens (18%).

Apenas 781 das 1634 unidades de saúde (48%) do país responderam à violência baseada no género (VBG) em 2017. Além disso, dos 23 centros de antedimento integrados planeados para sobreviventes de VBG (CAIs), apenas sete estavam totalmente operacionais não havia CAIs nas províncias alvo (Nampula e Manica, nem na Zambézia, Niassa e Cabo Delgado).

Este ano, o Governo de Moçambique e as Organizações da Sociedade Civil começaram a implementar a Iniciativa Spotlight com fundos da União Europeia e apoio do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) e outras agências das Nações Unidas. O programa ajuda mulheres como Ana Maria nas províncias de Nampula, Gaza e Manica. Nesse contexto, o Ministério do Interior desenvolveu a plataforma digital, InfoViolencia, para o registro, gestão e controle de casos de VBG, com o apoio do UNFPA. O sistema permitirá o encaminhamento de sobreviventes para outras instituições, realizando todos os aspectos do gestão de casos.

"A InfoViolencia facilitará e dará credibilidade ao nosso trabalho, além de permitir um acompanhamento mais eficaz de todos os casos de VBG", afirmou a Dr. Lurdes Mabunda, chefe do Departamento de Assistência à Família e Menores, Vítimas de Violência do Ministério do Interior.

Uma fase piloto do InfoViolencia começará em breve nas províncias onde a Iniciativa Spotlight está a ser implementada. A próxima fase piloto levará quatro meses e incluirá o treinamento de utilizadores num formulário de registro da VBG, recursos da plataforma e aprendizado no local em 110 esquadras de polícia que fornecem suporte aos sobreviventes da VBG. Este piloto testará o desempenho da plataforma e a abordagem de treinamento e servirá como base para a expansão.

* Um pseudônimo.