You are here

Enfrentando a crise silenciosa e endêmica de práticas prejudiciais

Ação urgente e acelerada necessária para interromper o casamento prematuro e outras práticas que prejudicam mulheres e raparigas, segundo novo relatório do UNFPA

Maputo, Moçambique/Nova Iorque — Todos os anos, milhões de raparigas são submetidas a práticas que as prejudicam física e emocionalmente, com o pleno conhecimento e consentimento das suas famílias, amigos e comunidades, de acordo com o Estado da População Mundial 2020, lançado hoje pelo UNFPA, a agência da saúde sexual e reprodutiva das Nações Unidas.

Pelo menos 19 práticas nocivas, que variam de passar o peito a testes de virgindade, são consideradas violações dos direitos humanos, de acordo com o relatório do UNFPA, que se foca nas três mais prevalentes: casamento prematuro, mutilação genital feminina e preconceito extremo contra filhas em favor de filhos.

“Práticas nocivas contra raparigas causam traumas profundos e duradouros, privando-as do seu direito de atingir todo o seu potencial”, diz a Diretora Executiva do UNFPA, Dra. Natalia Kanem. Das práticas prejudiciais que o UNFPA está comprometido em dar fim, o casamento prematuro está entre as mais prevalentes, comprometendo os direitos e o futuro de 12 milhões de raparigas por ano em todo o mundo. Casamentos prematuros são quase universalmente proibidos, mas ainda acontecem 33.000 vezes por dia, todos os dias, em todo o mundo.

“O casamento prematuro traz consequências que violam os direitos básicos das raparigas. Muitas dessas violações são caras e impossíveis de mitigar, corrigir ou reverter - a educação truncada; sérios impactos na saúde, frequentemente relacionados à gravidez e parto; a ameaça e a experiência real da violência baseada no género e muito mais. Elas combinam para minar o potencial de emprego e ganho das raparigas que são forçadas a se casar cedo. Esse impacto reverbera além da rapariga para perpetuar o ciclo de pobreza para a sua família e comunidade”, diz Andrea M. Wojnar, Representante Residente do UNFPA em Moçambique, referenciando detalhes do relatório.

Em Moçambique, pesquisas domiciliares (DHS 2011 e IMASIDA 2015) mostram que o país tem uma das maiores taxas de prevalência de casamentos prematuros em África e no mundo, com 1 em cada 2 raparigas a casar antes dos 18 anos. O censo de 2017 divulgado recentemente revelou que a prevalência do casamento prematuro diminuiu modestamente ao longo de um período de 20 anos.

O Governo de Moçambique demonstrou recentemente o seu compromisso com a erradicação do casamento prematuro através da aprovação do Parlamento da Lei de 2019 para a Prevenção e Combate a Uniões Prematuras. No entanto, esforços contínuos devem ser feitos para garantir que as disposições da lei sejam aplicadas em cascata a todos os níveis da sociedade, de modo a garantir que as causas básicas sejam abordadas e as comunidades entendam o impacto que essas práticas causam as raparigas e os benefícios que agregam a toda a sociedade parando-as.

"A eliminação do casamento prematuro traria enormes benefícios não apenas para o empoderamento das raparigas, mas também para o desenvolvimento económico das comunidades e nações,” afirma a Senhora Wojnar.

Capacitar as raparigas a fazerem as suas próprias escolhas saudáveis e informadas é uma parte essencial do fim do casamento prematuro. A iniciativa Rapariga Biz, liderada pelo Governo em Moçambique, alcançou centenas de milhares de raparigas e treinou 6,500 mentoras, fornecendo informações e serviços de saúde sexual e reprodutiva, orientação, engajamento de escolas e setor da justiça e usando técnicas como uma linha direta de saúde sexual, mensagens (SMS) e programas de rádio a um custo relativamente baixo de 120 USD por mentora treinada e 10 USD por rapariga (Hilber e outros, 2019).

Notavelmente, Rapariga Biz realizou esforços notáveis para impedir o casamento prematuro com menos de 2% das participantes do seu programa a casar antes dos 19 anos enquanto matriculadas no programa de orientação em duas províncias, que se classificam entre as províncias com as maiores taxas de casamento prematuro no país (61% em Nampula e 48% na Zambézia, de acordo com o DHS 2011).

O fim do casamento prematuro e a mutilação genital feminina em todo o mundo é possível em 10 anos, aumentando os esforços para manter as raparigas na escola por mais tempo, ensinar-lhes habilidades para a vida e envolver homens e rapazes em mudanças sociais. Investimentos que totalizam 3,4 bilhões de dólares por ano até 2030 acabariam com essas duas práticas prejudiciais e com o sofrimento de 84 milhões de raparigas, mostra o relatório.

"A eliminação do casamento prematuro traria enormes benefícios não apenas para o empoderamento das raparigas, mas também para o desenvolvimento económico das comunidades e nações,” afirma a Senhora Wojnar.

Embora tenha havido progresso no fim de algumas práticas prejudiciais em todo o mundo, a pandemia do COVID-19 ameaça reverter ganhos. Uma análise recente revelou que, se os serviços e programas permanecerem fechados por seis meses, mais 13 milhões de raparigas poderão ser forçadas a se casar entre agora e 2030. 

"A pandemia torna o nosso trabalho mais difícil e urgente, pois muitas outras raparigas estão agora em risco", diz Kanem. "Não vamos parar até que os direitos, escolhas e corpos de todas as raparigas sejam totalmente seus."

 

Para obter informações sobre o relatório, inquéritos de mídia e entrevistas, entre em contacto com: