You are here

Dobrando o Arco da História em Direção à Justiça

Declaração da Diretora Executiva do UNFPA, Dra. Natalia Kanem, sobre a luta contra o racismo e a discriminação sistémica

Estamos a viver tempos turbulentos e difíceis.

Este é um momento de sofrimento para muitas pessoas, especialmente pessoas de ascendência africana. Os protestos começaram nos Estados Unidos e em todo o mundo enquanto as pessoas clamam por justiça.

Nós, do UNFPA, somos solidários na luta global contra o racismo e apoiamos a luta pacífica contra todas as formas de discriminação, marginalização e injustiça. Vidas negras são importantes.

Paz, igualdade e dignidade humana são princípios que norteiam o nosso trabalho nas Nações Unidas. Como defensores da Carta da ONU e a sua afirmação de igualdade e direitos humanos para todos, é parte do nosso dever agir e ser agentes de mudança.

O COVID-19 mostrou como a discriminação estrutural de longa data enraizada no racismo tem um impacto direto na vida e nos meios de subsistência das pessoas de ascendência africana e das comunidades indígenas que sofreram desproporcionalmente durante esta pandemia.

No UNFPA, estamos nos levantando para enfrentar esse tremendo desafio. Isso inclui direcionar os nossos esforços para comunidades historicamente oprimidas e apoiar organizações e iniciativas lideradas por pessoas de ascendência africana. Esta é uma prioridade para a organização e para mim pessoalmente.

Estamos a intensificar o nosso trabalho durante a atual Década Internacional das Pessoas de Ascendência Africana, ampliando os programas para capacitar mulheres, meninas e jovens de ascendência africana a alcançar os que ficaram mais para trás. Isso está no cerne da concretização dos compromissos da Agenda 2030 e da Cúpula de Nairóbi.

Construir uma sociedade igual depende da ação individual e começa com cada um de nós.

Portanto, assumamos a responsabilidade por nossas palavras e ações, enquanto nos comprometemos com a nossa dedicação compartilhada aos direitos, à saúde e à autonomia corporal de todas as pessoas.

Vamos usar os eventos recentes como um catalisador para fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para lidar com as desigualdades de longa data, derrubando as barreiras sistémicas entre as comunidades mais vulneráveis e os seus direitos humanos.

Vamos aprender com as lições da pandemia para construir sistemas de saúde e proteção social mais fortes e resistentes, para que todos, em todos os lugares, tenham acesso aos recursos necessários para viver uma vida de dignidade e oportunidade, livre de discriminação e danos.

Dr. Martin Luther King Jr. falou da urgência feroz do agora. 
Juntos, podemos fazer a diferença na vida das pessoas e das suas comunidades. Ao fazer isso, servimos toda a humanidade e, parafraseando o Dr. King, podemos dobrar o arco da história em direção à justiça.