You are here

Devemos vencer a batalha contra o tráfico de pessoas

Declaração da Diretora Executiva do UNFPA, Dra. Natalia Kanem no Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas 2020

Todos os anos, dezenas de milhares de pessoas são traficadas através e dentro das fronteiras nacionais. Enquanto homens e rapazes tendem a ser traficados para o trabalho forçado, mulheres e raparigas tendem a ser traficadas para o sexo forçado.

Os traficantes atacam os pobres e os vulneráveis, amarrando-os em condições indescritíveis onde todos os direitos humanos são violados. Eles usam violência física e psicológica, drogas e abuso sexual como armas para controlar as suas vítimas. E com a exploração e abuso sexual, há um risco aumentado de infecções sexualmente transmissíveis, incluindo o HIV, tornando uma situação terrível mortal.

Mesmo nas melhores circunstâncias, mulheres e raparigas em todo o mundo têm menos probabilidade do que homens e rapazes de gozar dos seus direitos fundamentais à saúde, autonomia, integridade corporal e liberdade da violência. O tráfico leva essas desigualdades ao extremo.

Neste Dia Mundial contra o Tráfico de Pessoas, exorto os governos nacionais e locais, a aplicação da lei, os sistemas de justiça criminal e as organizações de direitos humanos a redobrar esforços para identificar e denunciar o tráfico, levar os autores à justiça e apoiar os sobreviventes.

Apelo também aos governos, organizações comunitárias, escolas e outras instituições para que invistam em mulheres e raparigas e garanta-lhes direitos e oportunidades iguais para que possam realizar o seu potencial e viver uma vida digna, livre de danos.

Esforços adicionais são necessários durante a pandemia do COVID-19, que está a minar os meios de subsistência, agravando a pobreza e aumentando a vulnerabilidade das mulheres aos traficantes, cujos esquemas podem se tornar mais difíceis para a polícia descobrir durante os bloqueios.

O tráfico nunca deve ser tolerado, e a nossa luta contra ele deve continuar mesmo durante a pandemia. Não devemos parar até que essa afronta aos direitos humanos termine.