Notícias

De sobrevivente de Fístula Obstétrica a defensora dos direitos das raparigas: uma jornada partilhada por milhares de raparigas e mulheres em Moçambique

12 Dezembro 2018

Opinião Editorial
Andrea M. Wojnar, Representante do UNFPA em Moçambique

 

A capacidade de raparigas e mulheres controlarem seus próprios corpos é fundamental para o seu empoderamento. Proteger e promover os direitos reprodutivos - incluindo o direito de decidir o número, o tempo e o espaçamento entre crianças - é essencial para garantir a liberdade das mulheres de participar plenamente da sociedade. No entanto, as raparigas e mulheres nos países em desenvolvimento continuam a enfrentar desvantagens sistémicas, muitas vezes enraizadas em normas sociais que promovem a desigualdade generalizada de género e a violência baseada no género em todas as suas formas.

Numa visita recente à província da Zambézia, conheci a Joaquina, de 16 anos, que foi obrigada por familiares a se casar com um homem mais velho porque “ela era a mais bonita”. Joaquina engravidou rapidamente e depois de um longo parto contraiu fístula obstétrica, uma das mais trágicas complicações do parto. Um buraco entre o canal do parto e a bexiga ou reto causado por trabalho de parto prolongado e obstruído sem cuidados médicos, deixa as meninas e as mulheres com vazamento descontrolada de urina, fezes ou ambos, e muitas vezes leva a problemas saúde crónicos, abandono da família, depressão, isolamento social e pobreza extrema.

Em todo o mundo, estima-se que 16 milhões de raparigas entre os 15 e os 19 anos de idade dão à luz todos os anos, com 90% destes nascimentos de adolescentes ocorrendo dentro do casamento (Girlhood, Not Motherhood, UNFPA 2015). O casamento prematuro é uma violação dos direitos humanos e uma forma de violência que nega às raparigas a sua infância e as coloca em risco de gravidez precoce. O parto em idade precoce está associado ao aumento dos riscos para a saúde materna.

Durante anos, Joaquina não sabia que sua condição tinha cura, nem seu marido, que acabou por deixá-la. Ela acabou por partilhar que, apesar de seu sofrimento, ela ainda participou no parlamento local onde, depois de contar a sua história, alguém a incentivou a procurar tratamento.

Agora, Joaquina sente-se novamente como mulher e luta para que as meninas da sua comunidade se protejam do casamento infantil e evitem engravidar precocemente. Joaquina, como mentora do programa de empoderamento, Rapariga Biz, está usando sua voz para influenciar a mudança. Seu sonho é tornar-se uma professora para continuar a influenciar a próxima geração de meninas a fazer escolhas saudáveis ​​e informadas.

Como mãe de duas filhas que estão sendo criadas para exigir e expressar seus direitos humanos, sinto orgulho de Joaquina como se ela fosse uma das minhas. Ela está usando uma experiência pessoal terrível para informar os outros sobre os perigos da gravidez precoce. Tenho o prazer de ser uma líder no Fundo das Nações Unidas para a População, UNFPA, que trabalha incansavelmente para garantir a saúde e os direitos sexuais e reprodutivos dos jovens em todo o mundo.

Rapariga Biz é um programa conjunto das Nações Unidas , financiado pelo Reino da Suécia e pelo Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido, que visa capacitar 1 milhão de raparigas e mulheres jovens em 2 províncias moçambicanas, 70% desse grupo etário, até 2020. O programa reúne múltiplos parceiros, desde o Governo de Moçambique, sociedade civil, agências da ONU até aos meios de comunicação para garantir que as raparigas adolescentes tenham acesso a educação, informação e serviços de saúde, justiça e competências para a vida sobretudo através de mentoria de pares. Os resultados iniciais estão a demonstrar elevada diminuição no casamento precoce e gravidez entre os participantes.

A Rapariga Biz também beneficia do Programa Global das Nações Unidas para Acelerar a Ação para Acabar com o Casamento Prematuro, que tem como alvo jovens de 10 a 19 anos em risco de casamento prematuro ou já em união, em 12 países. O UNFPA em Moçambique apoia a implementação de outros projectos semelhantes como o programa, Minha Escolha, financiado pelo Reino dos Países Baixos numa terceira província, bem como a Iniciativa Spotlight, financiada pela União Europeia, para eliminar a violência contra mulheres e raparigas, que visa acelerar a prevenção e resposta a violência sexual baseada no género e o casamento prematuro em mais três províncias.

Com estes e outros programas, estamos influenciando positivamente vidas de jovens, no esforço para reduzir a gravidez precoce e indesejada. Ao trabalhar em conjunto na busca de soluções locais, assegurar proteção legal, desenvolver a capacidade do governo e da sociedade civil para prevenir e responder à violência contra mulheres e raparigas, Joaquina e seus pares estarão a contribuir significativamente no desenvolvimento de Moçambique.