You are here

Apoiando a dignidade de mulheres e raparigas em idade menstrual deslocadas pelo conflito em Moçambique

PEMBA, Moçambique — No dia em que o conflito violento começou em Palma, 24 de Março, Rosina * deixou sua casa e fugiu para o mato - e foi pega de surpresa pela menstruação. “Este foi um momento muito desafiador, pois eu não tinha nada que pudesse me ajudar a controlar minha menstruação com dignidade”, disse ela.

“Tive que me isolar por cinco dias porque estava com muito fluxo. Usei a praia próxima e água salgada do mar para me lavar. ”

Um dia depois do início do conflito em Palma, Beatrice*, que também fugiu da área sem aviso prévio, experimentou o início de um período difícil e doloroso. Ela não tinha nada além de sua saia para ajudá-la a controlar o fluxo pesado.

Deslocadas pelo conflito em Palma, elas faziam parte de um grupo de mulheres que descreveram suas experiências pessoais de gestão da menstruação em tempos difíceis enquanto também lidavam com os mitos associados, para Felicia Jones, Especialista em Saúde Sexual e Reprodutiva do UNFPA para a África Oriental e Austral, durante sua recente visita ao Centro de reassentamento de Pessoas Deslocadas Internamente (PDI) no distrito de Pemba.

 


O UNFPA e seus parceiros estão trabalhando 24 horas por dia para fornecer serviços de proteção e saúde que salvam vidas às mulheres, meninas e jovens mais afetados pelo conflito em Moçambique. © UNFPA Moçambique

Desde 2017, o conflito em curso no norte de Moçambique deslocou quase 670.000 pessoas, incluindo cerca de 160.000 mulheres e raparigas adolescentes em idade reprodutiva e 19.000 mulheres grávidas. O UNFPA trabalha 24 horas por dia com parceiros para fornecer serviços de saúde e proteção que salvam vidas às mulheres, raparigas e jovens mais afetados pela crise.

Em Pemba, o porto foi encerrado, o que significa que os que fogem dos conflitos passam longos dias na estrada, a pé ou a qualquer transporte para chegar à cidade. Muitos deles chegam apenas com as roupas que vestiam quando saíram, deixando as mulheres e raparigas vulneráveis ​​no início da menstruação.

“Recebi um kit de dignidade que me fez sentir melhor porque nele estão itens essenciais para a higiene pessoal”.

“Ao chegar aqui em Pemba, recebi um kit de dignidade que me fez sentir melhor porque nele contém roupa interior, água, absorventes, escova de dente, sabonete e outros itens essenciais para a higiene pessoal”, disse Ana *.

No centro de reassentamento de deslocados internos, os deslocados são registrados antes de serem recebidos ou colocados com famílias anfitriãs em suas casas - muitas vezes superlotadas. O UNFPA apóia os deslocados internos por meio de duas ONGs locais, Amodefa e Mueda, que fornecem serviços e informações de saúde sexual e reprodutiva, incluindo planeamento familiar, bem como saúde mental e apoio psicossocial (MHPSS) e primeiros socorros psicológicos. As duas organizações também oferecem serviços de encaminhamento para tratamento clínico de violacão sexual.

Milhões de mulheres e raparigas que se encontram em situações de conflito em todo continente África não têm a capacidade de menstruar com dignidade. Para ajudá-las a enfrentar a situação, o UNFPA fornece kits de dignidade às mulheres deslocadas em idade reprodutiva.

 


Mulheres e raparigas precisam de informações precisas e oportunas para lidar com seus períodos e ajudar a quebrar os mitos que cercam a menstruação. © UNFPA Moçambique

Falta de informações oportunas e precisas

 

As conversas informativas sobre a menstruação devem começar bem antes da adolescência para preparar as meninas mentalmente e capacitá-las a abraçar a jornada rumo à feminilidade. No entanto, para muitas meninas, esse não é o caso.

“Quando eu estava na aula, minha amiga me disse que eu deveria ir para casa porque minha saia estava suja. Quando cheguei em casa, minha mãe não quis me explicar nada. Até agora, não consigo falar com a minha mãe sobre o meu ciclo menstrual ”, disse Ana.

"Agora que estou informada, vou conversar sobre periodo menstrual com as minhas filhas."

Ela está determinada a mudar essa trajetória para suas filhas. “As mães acham que é tabu e também por falta de informação, têm medo de ter uma conversa aberta sobre menstruação. Agora que estou informada, vou conversar sobre periodo menstrual com as minhas filhas. ”

Alisha * menstruou pela primeira vez aos 15 anos de idade. “Eu nunca tinha ouvido falar sobre menstruação antes e fiquei com medo, pensando que algo estava errado”, disse ela. Ela contou à mãe, que reuniu um grupo de líderes femininas tradicionais para educá-la sobre higiene menstrual, mas no processo ela perdeu cinco dias de escola. “Agora, eu ensino minhas amigas a saber sobre as mudanças corporais que devem acontecer.

É hora de acabar com os mitos - ponto final!

 

Além da necessidade de informações para lidar com a menstruação, as mulheres muitas vezes precisam navegar pelos mitos que cercam a menstruação.

“Quando eu era jovem, minha mãe não deixava que eu preparasse o leite de coco”, lembra Gabrielle *. “Ela disse que eu tinha sangue nas mãos, então não deveria tocar na comida porque estou suja”.

É um equívoco muito comum.

“Quando menstruava, não podia cozinhar. Se eu quisesse fazer um bolo, minha mãe dizia que o bolo não ia ficar bom porque, quando você está menstruada, não vale a pena comer o que prepara ”, disse Maria *.

"A prática prejudicial infelizmente foi normalizada como parte da tradição e foi transmitida de geração em geração."

Em suas respectivas comunidades, as mulheres são frequentemente solicitadas a fazer outras tarefas domésticas, como varrer e lavar roupa, que são consideradas "aceitáveis" quando estão menstruadas.

“As mulheres continuam experenciando isso até hoje porque o que é uma prática prejudicial infelizmente foi normalizada como parte da tradição e foi transmitida de geração em geração”, explicou Maria.

Encorajando homens e rapazes como aliados de época

 

Homens e rapazes têm um papel importante a desempenhar para acabar com esse tipo de mito em torno da menstruação.

“Muitas pessoas pensam que é um tabu falar sobre menstruação e às vezes as raparigas não se sentem confortáveis ​​para falar sobre seu ciclo menstrual”, disse John *.

“Por que devemos evitar uma discussão sobre o ciclo menstrual? É vital entender o ciclo menstrual de uma mulher para que se possa oferecer o apoio necessário a uma mulher ou adolescente que está passa por isso ”, acrescentou.

Para saber mais, inscreva-se aqui para o Simpósio Africano de Saúde Menstrual de 25 a 27 de maio.

* Nomes alterados para proteger a privacidade.