You are here

Aconselhamento e informações médicas que salvam vidas para milhares em Moçambique agora são possíveis através da central de chamadas gratuitas COVID-19

Desde o início de maio, milhares de cidadãos em Moçambique receberam apoio médico, aconselhamento e referências em tempo real de médicos através do estabelecimento da central de chamadas COVID-19, lançada pelo Governo de Moçambique.

“É gratificante saber que, de alguma forma, estamos a contribuir para localizar casos suspeitos do vírus e também fornecendo apoio psicológico à população neste momento difícil... A central de chamadas é uma cadeia do sistema de saúde que veio apoiar o país, para que, mesmo à distância, os pacientes continuem a receber cuidados e orientações. Sinto-me honrada por fazer parte desse movimento”, diz Nilam Arvinkumar, uma operadora da central de chamadas.

A central de chamadas, inaugurada pelo vice-ministro da Saúde no final de maio, com observações feitas pela representante residente do UNFPA Moçambique em nome de parceiros, permite que os cidadãos obtenham conselhos e informações precisas e de alta qualidade sobre o COVID-19 de médicos clínicos, com base nos sintomas e necessidades das pessoas que ligam.

"Através desta cebtral de chamadas, estamos a educar, diagnosticando e capacitando uma população sobre como se proteger e gerir a pandemia dentro das restrições do ambiente em que vive", compartilhou Andrea M. Wojnar, Representante Residente do UNFPA Moçambique.

Com quase 2,000 ligações feitas diariamente, 41 médicos que operam a central de chamadas encaminham as pessoas para serviços médicos e unidades sanitárias vizinhas, com base nos sintomas de um indivíduo. Os médicos também podem rastrear violações de quarentena e responder ao não cumprimento das restrições de estado de emergência do Governo. Desde o seu lançamento oficial no início de maio, a central de chamadas recebeu mais de 50,000 ligações.

“A central de chamadas facilita a comunicação entre a população e fontes confiáveis, que podem compartilhar informações atualizadas sobre o COVID-19. Nós, os operadores do Centro, também podemos encaminhar reclamações sobre não conformidade com quarentena, isolamento obrigatório e distanciamento social às autoridades, garantindo simultaneamente a triagem do COVID-19 e oferecendo recomendações necessárias de acordo com a condição clínica de quem liga”, compartilhou Nilam.


Equipe a preparar o edifício da central de chamadas  para a sua inauguração oficial

Além da disseminação de informações, a central de chamadas rastreia e monitora casos potenciais e positivos de COVID-19, incluindo quantas pessoas se registaram com sintomas, quantas foram encaminhadas para testes e quantas foram testadas no final. Até o momento, 168 pessoas com suspeita de casos de COVID-19 foram identificadas e rastreadas.

Dados preliminares da central de chamadas mostram que os homens têm três vezes mais chances do que as mulheres de telefonar para o call center. Esforços adicionais estão em andamento para incentivar e garantir que mais mulheres e raparigas, incluindo as mais vulneráveis, possam ligar, acessar a linha direta e receber as informações que são mais cruciais para elas. Especificamente, para garantir que conselhos personalizados sejam disponibilizados para mulheres grávidas e mulheres sobreviventes de violência, os médicos receberão em breve treino sobre saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e violência de género.

“Sabemos que em todo o mundo a pandemia afeta mulheres e ´raparigas de forma desproporcional, tornando crucial garantir serviços como a central de chamadas para aqueles que podem estar em casa ou sem recursos para viajar para uma consulta médica. O call center não é apenas facilmente acessível, é gratuito e um equalizador. Está a demonstrar o poder da tecnologia para estender e garantir o acesso às informações de maneiras nunca imaginadas antes da pandemia”, diz Wojnar.

“A desinformação se espalha online, em aplicativos de mensagens e de pessoa para pessoa. Os seus criadores usam métodos de produção e distribuição mais experientes. Para combater isso, cientistas e instituições como as Nações Unidas precisam alcançar pessoas com informações precisas em que possam confiar", disse António Guterres, secretário-geral da ONU, num artigo anunciando a nova campanha 'Verificado'.

No espírito de 'boa comunicação salva vidas', a central de chamadas COVID-19 em Moçambique é um exemplo de uma iniciativa sólida que reforça e apoia a importância de compartilhar informações confiáveis e precisas relacionadas à saúde ao público. Ao mitigar os rumores e fornecer aconselhamento e orientação em tempo real, a central de chamadas está a ajudar os cidadãos a tomar decisões calculadas e bem informadas sobre a sua saúde e bem-estar.

Devido ao seu sucesso inicial, a central de chamadas se expandirá para as províncias de Sofala e Nampula, ajudando a aumentar a capacidade de clínicos adicionais e permitindo um monitoramento e acompanhamento mais próximo dos pacientes. Demonstrando o poder das parcerias público-privadas, as operadoras de telefonia móvel em Moçambique forneceram acesso gratuito ao call center (discando o número #100) e contribuíram com internet e conhecimentos técnicos para configurar a operação. Agora, ampliando para três centrais de chamadas em todo o país, os médicos estarão equipados para falar com quase 100 pessoas a qualquer momento.

A central de chamadas COVID-19 em Moçambique recebeu apoio de agências da ONU, incluindo o UNFPA e a Organização Mundial da Saúde (OMS); governos bilaterais, como os Estados Unidos, através dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC); ONGs como Jhpiego e Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade (FDC); e o setor privado, incluindo operadoras de telefonia móvel.