Statement

Mensagem do Director Executivo do UNFPA, Dr. Babatunde Osotimehin, por ocasião do Mundial Humanitário, 19 de Agosto de 2016

19 August 2016
Neste Dia Mundial Humanitário, apelamos à solidariedade global e estamos solidários com todos os afectados pela crise humanitária. Nos unimos como uma humanidade.
 
Partilhamos a responsabilidade de alcançar os que são deixados para trás, ajudamos os mais vulneráveis e apoiamos os mais de 130 milhões de pessoas que precisam de assistência humanitária, das quais uma em cada quatro, são mulheres e adolescentes em idade reprodutiva. 
 
Em resposta aos desafios humanitários de hoje, o Fundo das Nações Unidas para a População, UNFPA, providencia serviços essenciais que salvam vidas, providencia bens, produtos e informações para a Saúde Sexual e Reprodutiva e Prevenção da Violência Baseada no Género.
 
O UNFPA trabalha com seus parceiros para transformar os compromissos assumidos na Conferência Mundial para Acção Humanitária em acções concretas. Os Compromissos para Jovens em Acção Humanitária, irão servir de guia para garantir a participação dos jovens em açções humanitárias.
 
O nosso foco ultrapassa o alcançe dos objectivos imediatos de redução dos riscos, construção da paz, reforço da resiliência e apoio ao desenvolvimento.
 
Este processo é especialmente importante, uma vez que os países e a comunidade internacional trabalham para o alcance das Metas para o Desenvolvimento Sustentável. Para o alcance dessas metas, devemos alcançar as mulheres, raparigas e jovens que vivam nos países afectados pelas crises.
 
Quando o terramoto da magnitude de 7.8 atingiu o Nepal no ano passado, o UNFPA imediatamente respondeu. Equipamento médico e kits de saúde sexual e reprodutiva foram enviados para mais de 200 unidade Sanitárias e beneficiaram 150,000 famílias, garantindo parto seguro a mulheres. Catorze espaços seguros para as mulheres foram montados para garantir a segurança, serviços de aconselhamento a 100,000 mulheres e raparigas adolescentes.  
 
Em resposta a crise na Síria, o UNFPA apoia aproximadamente 200,000 serviços de saúde sexual e reprodutiva por mês, incluindo 6,000 partos, na Síria e países vizinhos. A organização providencia igualmente serviços para a prevenção e mitigação da Violência Baseada no Género.
 
Estes são apenas alguns exemplos de muitos em que trabalhamos com parceiros para alcançar as pessoas afectadas pelas crises. Contudo, há muito mais que deve ser feito. Em Alepo, na Síria e outras zonas de conflito, Unidades Sanitárias e outras infraestruturas civis estão a ser atacadas, deixando pessoas com pouco espaço onde procurar cuidados médicos de emergência, e as mulheres estão a pagar um preço muito alto.  
 
Imagina ter que se pôr em risco de violência sexual enquanto procura comida e agua para a sua família. Imagina estar grávida e prestes a ter parto sozinha, na esperança de que não haverá complicações ou armas e ataques aéreos aos poucos hospitais e maternidades em funcionamento.
 
Hoje, mais de 65 milhões de pessoas são deslocadas de forma forçada, incluindo mais de 21 milhões de refugiados, dos quais 47% são mulheres e 51% são adolescentes e jovens com menos de 18 anos. Cada um deles fez uma escolha difícil de deixar as suas casas, pertenças e familiares a procura de um futuro melhor para si e suas famílias.
 
Cada mulher merece um parto seguro. Por dia, mais de 500 mulheres e raparigas adolescentes morem por complicações no parto em contextos humanitários. Por isso, o acesso aos serviços, parto seguro, a prevenção de gravidezes indesejadas e estar livre do HIV é tão importante como o acesso a água e abrigo.
 
Cada pessoa tem o direito de exercer o seu direito humano sem qualquer tipo de discriminação. No entanto, cada dia pessoas afectadas pela crise fazem escolhas difíceis que colocam em risco sua saúde, segurança e dignidade.